Em editorial do Estadão, jornal manda recado a Pacheco e fala em antídoto para abusos do STF Em editorial do Estadão, jornal manda recado a Pacheco e fala em antídoto para abusos do STF Em editorial do Estadão, jornal manda recado a Pacheco e fala em antídoto para abusos do STF Pular para o conteúdo principal

Em editorial do Estadão, jornal manda recado a Pacheco e fala em antídoto para abusos do STF

Alguns ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) têm demonstrado uma preocupante resistência em reavaliar condutas contrárias à ética pública e aos princípios republicanos, de acordo com informações do Estadão. O ministro Edson Fachin destacou a falta da “virtude da parcimônia” entre seus colegas, alertando que “abdicar de limites é um convite para pular no abismo institucional”.
Uma ala do STF, agindo como se estivesse acima do bem e do mal, rejeita até mesmo as críticas de boa-fé feitas por cidadãos, organizações da sociedade civil e veículos de imprensa, comprometidos com a democracia e, portanto, aliados do STF na defesa contra seus verdadeiros inimigos. A combinação da já conhecida falta de comedimento com a soberba é alarmante. Para esses magistrados, o Supremo e seus integrantes, por se considerarem esteio da democracia, deveriam estar isentos de críticas e sanções, algo mais apropriado a um Estado absolutista do que a uma república democrática.
Em uma república democrática como o Brasil, ninguém está acima da lei. Todos os ocupantes de cargos públicos, sem exceção, devem satisfações aos cidadãos. Essa exigência se aplica particularmente aos ministros do STF, que têm a tarefa de determinar a constitucionalidade das leis e dar a palavra final sobre o ordenamento jurídico do país. Os ministros do Supremo devem ter especial cuidado com sua imagem, evitando qualquer impressão de parcialidade. No entanto, alguns parecem não entender os rígidos limites éticos que devem ser respeitados.
O presidente do STF, Luís Roberto Barroso, referiu-se aos críticos da Corte como “implicantes”. O decano, Gilmar Mendes, argumentou que os evidentes conflitos de interesse em encontros com empresários são inexistentes. Dias Toffoli afirmou que o protagonismo excessivo do STF decorre da “falência dos outros órgãos decisórios da sociedade”. Mais recentemente, o ministro Flávio Dino chamou de “esdrúxulas” as críticas à participação de ministros em eventos no estrangeiro regados a lobby. Dino defendeu que o isolamento dos magistrados é negativo, ignorando que a legitimidade de um juiz deriva de sua blindagem à suspeição de parcialidade.
O ministro Alexandre de Moraes descartou a necessidade de um código de conduta para os ministros do STF, semelhante ao adotado pela Suprema Corte dos EUA após escândalos envolvendo juízes. Se os ministros do STF não estão sujeitos à Lei Orgânica da Magistratura e não precisam de um código de conduta, como sustentam Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, quem moderará o comportamento de Suas Excelências? Apenas seus próprios freios éticos internos? Não é assim que uma república funciona. Um poder sem controle é ilegítimo, e a Constituição possui antídotos para isso. A mesma Constituição que deu ao STF o poder de impor limites ao Executivo durante o turbulento governo de Jair Bolsonaro é a que dá ao Senado o poder de impor limites aos ministros do Supremo, se necessário. É essencial que o Senado Federal, como guardião das instituições democráticas, exerça sua função de controle sobre o Judiciário, assegurando que o equilíbrio entre os poderes seja mantido e que o Estado de Direito prevaleça. A conduta dos ministros do STF precisa ser monitorada e regulada não apenas pela opinião pública e pelos meios de comunicação, mas também pelas instituições formais que têm o dever constitucional de fiscalizar os atos dos poderes da República. Sem isso, corre-se o risco de transformar o Supremo Tribunal Federal em um órgão descolado dos princípios democráticos, colocando em xeque a confiança da população nas instituições e no próprio sistema democrático brasileiro.

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado