Decisão da Suprema Corte americana a favor de Trump deixa a esquerda em total desespero Decisão da Suprema Corte americana a favor de Trump deixa a esquerda em total desespero Decisão da Suprema Corte americana a favor de Trump deixa a esquerda em total desespero Pular para o conteúdo principal

Decisão da Suprema Corte americana a favor de Trump deixa a esquerda em total desespero

Uma decisão mista poderia impedir que um caso histórico vá a julgamento antes das eleições de novembro, quando Trump deverá enfrentar o presidente Joe Biden.
A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu nesta segunda-feira que o ex-presidente Donald Trump (2017-2021) tem direito a uma imunidade substancial contra acusações criminais, fornecendo um importante posicionamento sobre o escopo do poder presidencial. Em uma votação dividida entre linhas partidárias — com seis votos de juízes conservadores e três de magistrados liberais —, a Corte determinou que ex-chefes de Estado têm imunidade absoluta contra processos por ações tomadas oficialmente como presidente durante o mandato, mas que o mesmo não se aplica para atos cometidos como pessoa física, fora das competências do cargo.
Na prática, a decisão provavelmente adiará, para além das eleições de novembro, o julgamento do caso contra Trump sob acusações relativas à tentativa de subverter a eleição de 2020. Ele enfrenta três acusações de conspiração e uma de obstrução de um procedimento oficial devido ao seu esforço de manter-se na Presidência após a derrota eleitoral para o democrata Joe Biden. Ele foi oficialmente indiciado em agosto do ano passado em um caso conduzido pelo procurador especial Jack Smith, em um de dois processos federais contra ele: o outro se relaciona à ação do FBI para vasculhar sua residência em Mar-a-Lago, em agosto de 2022, onde foram recuperados documentos governamentais sigilosos e confidenciais.
O caso federal foi devolvido à primeira instância para determinar a natureza dos atos pelos quais Trump foi acusado. Na visão do tribunal, a questão fundamental é: Trump agiu como presidente ou como cidadão? Se o julgamento for adiado e Trump vencer a eleição, ele poderia solicitar ao Departamento de Justiça que arquive as acusações. O presidente da Suprema Corte, John Roberts Jr., afirmou que o ex-presidente tem ao menos uma imunidade presumida para seus atos oficiais. Ele acrescentou que a primeira instância deve realizar uma revisão detalhada para separar a conduta oficial da não oficial e avaliar se os promotores podem superar a presunção que protege o republicano. O chefe de Justiça argumentou que a ampla imunidade para a conduta oficial era necessária para “proteger um Executivo independente”.
O chefe de Estado, portanto, “não pode ser processado por exercer seus poderes constitucionais fundamentais”. Roberts também afirmou que a imunidade se aplica “igualmente a todos os ocupantes do Salão Oval”. Todos os três juízes nomeados por Trump — Neil Gorsuch, Brett Kavanaugh e Amy Coney Barrett — concordaram, assim como os juízes Clarence Thomas e Samuel Alito. O placar de seis a três opôs os magistrados indicados por presidentes republicanos e democratas, uma dinâmica que vem se repetindo em questões politicamente acirradas. A juíza Sonia Sotomayor, por outro lado, escreveu que a decisão foi gravemente equivocada. Para ela, a resolução que “concede imunidade criminal a ex-presidentes remodela a instituição da Presidência” e “zomba do princípio — fundamental para a Constituição e sistema de governo — de que ninguém está acima da lei”. Ela pontuou que “as consequências em longo prazo da decisão de hoje são severas”. “O presidente dos Estados Unidos é a pessoa mais poderosa do país, e possivelmente do mundo. Quando ele usa seus poderes oficiais de qualquer maneira, segundo o raciocínio da maioria, ele agora estará isolado de processos criminais”, escreveu ela, dando exemplos: “Ordena a equipe dos SEALs (força de elite da Marinha americana) a assassinar um rival político? Imune. Organiza um golpe militar para se manter no poder? Imune. Aceita suborno em troca de um perdão? Imune.” Em sua rede social, Trump comemorou a decisão, afirmando que esta era uma “grande vitória para a nossa Constituição e a democracia”. Mais cedo, ele havia dito que a resolução era importante. “É uma decisão grande, que pode afetar o sucesso ou o fracasso de nosso país nas próximas décadas. Queremos um país grande, não um fraco, decadente e ineficaz. Imunidade presidencial forte é uma necessidade!”, publicou. A campanha de Biden respondeu que a decisão da Suprema Corte “não muda os fatos” sobre a invasão do Capitólio em 2021. “Sejamos bem claros sobre o que aconteceu em 6 de janeiro: Donald Trump perdeu o controle depois de perder a eleição de 2020 e encorajou uma multidão a anular os resultados de uma eleição livre e justa. Trump concorre à Presidência como um criminoso condenado pelo mesmo motivo pelo qual ele ficou sentado sem fazer nada enquanto a multidão atacava violentamente o Capitólio: ele acha que está acima da lei”, disse em nota, referindo-se à condenação de Trump em um caso criminal de Nova York pelo suborno da atriz pornô Stormy Daniels para tentar encobrir uma relação sexual que poderia pôr em risco sua campanha eleitoral em 2016. Alguns dos nove juízes já haviam indicado, durante as argumentações orais de 25 de abril, que, em sua opinião, ex-presidentes podem ser processados — mas apenas por conduta como pessoa física durante o exercício do cargo. “As alegações na acusação pendente parecem dirigir-se sobretudo à conduta de Trump como candidato, em oposição à sua conduta como presidente,” disse a ex-procuradora Barbara McQuade antes do pronunciamento desta segunda da Suprema Corte. Smith e seus promotores disseram que as decisões sobre quais ações podem ser objeto de acusação devem ser tomadas à medida que o caso for levado a julgamento — por meio de decisões do juiz e das instruções ao júri. A equipe de Smith disse em um documento legal que deve ser capaz de referenciar atos oficiais durante o julgamento, mesmo que esses atos não possam ser processados. A chave para determinar o que é privado e oficial pode estar numa análise anterior da conduta de Trump por um tribunal de apelações, em litígios civis paralelos sobre o motim de 6 de janeiro. Nesses casos, o tribunal rejeitou o pedido de imunidade de Trump contra processos civis por sua conduta no cargo, e ele não pediu à Suprema Corte para intervir. Em dezembro, a juíza de primeira instância, Tanya Chutkan, do Tribunal Distrital Federal em Washington, negou o pedido de imunidade de Trump. “Quaisquer que sejam as imunidades que um presidente no cargo possa desfrutar, os EUA têm apenas um chefe executivo por vez, e essa posição não confere passe vitalício para escapar da prisão”, escreveu. Em fevereiro, um painel unânime de três juízes do Tribunal de Apelações dos EUA para o Circuito do Distrito de Columbia concordou com essa avaliação. ‘Maneira e Meios’ A acusação não dividiu a alegada conduta de Trump entre as duas categorias. Em vez disso, o documento descreve a “maneira e os meios” pelos quais Trump alegadamente conspirou para “obstruir e derrotar” o governo federal depois de ter perdido as eleições. Smith dividiu-o em cinco categorias que decorrem da falsa alegação do republicano de que as eleições foram manipuladas contra ele. Com a decisão desta segunda, Roberts disse que Trump é “absolutamente imune a processos por conduta alegada envolvendo suas discussões com funcionários do Departamento de Justiça”. Apesar disso, ele afirmou que não é tarefa da Suprema Corte analisar as evidências e separar quais condutas são protegidas. A primeira instância, ordenou, determinará se os promotores são capazes de separar a imunidade presumida de Trump de suas comunicações com Pence. “Portanto, remetemos ao tribunal distrital para avaliar em primeira instância, com a devida participação das partes, se uma acusação envolvendo as tentativas alegadas de Trump de influenciar a supervisão do vice-presidente sobre o procedimento de certificação em sua capacidade como presidente do Senado representaria algum perigo de intrusão na autoridade e nas funções do Poder Executivo,” escreveu ele.

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado