Argentina: Senador propõe que pobres possam vender filhos Argentina: Senador propõe que pobres possam vender filhos Argentina: Senador propõe que pobres possam vender filhos Pular para o conteúdo principal

Argentina: Senador propõe que pobres possam vender filhos

Durante uma sessão parlamentar na Argentina, o senador Juan Carlos Pagotto causou uma onda de indignação ao sugerir uma legislação que permitiria famílias em extrema pobreza venderem seus filhos como forma de aliviar suas dificuldades financeiras. A proposta, inserida como emenda ao artigo 139 bis da legislação vigente, foi prontamente criticada por diversos setores da sociedade argentina, incluindo políticos, ativistas e até mesmo o presidente Javier Milei.
Pagotto argumentou que a medida poderia ser uma alternativa para famílias que não têm condições de sustentar seus filhos, ao mesmo tempo em que abriria novas oportunidades para as crianças em ambientes mais estáveis e seguros. No entanto, sua sugestão de isentar os progenitores da pena de prisão usualmente aplicada por tráfico de menores, caso a entrega fosse motivada por necessidade extrema, gerou uma onda de protestos no parlamento.
O presidente Milei não hesitou em condenar publicamente a proposta, descrevendo-a como "absurda e desumana". Em um comunicado oficial, ele reiterou o compromisso de seu governo em encontrar soluções dignas e sustentáveis para a pobreza no país, destacando que "sob nenhuma circunstância um país civilizado pode tolerar a venda de seres humanos". A declaração do senador provocou uma série de reações intensas tanto dentro quanto fora do parlamento argentino. Partidos políticos de diferentes espectros ideológicos se posicionaram firmemente contra a proposta, enfatizando a importância de proteger os direitos das crianças e assegurar o cumprimento das leis internacionais de direitos humanos.
Organizações não-governamentais e defensores dos direitos das crianças também se manifestaram contra a ideia, classificando-a como uma regressão aos direitos fundamentais e à proteção infantil. Muitos especialistas jurídicos e sociais apontaram que a medida proposta viola tratados internacionais dos quais a Argentina é signatária, como a Convenção sobre os Direitos da Criança das Nações Unidas, que proíbe a venda de menores em todas as circunstâncias.
A controvérsia gerada pela proposta de Pagotto não se limitou às fronteiras argentinas. Internacionalmente, figuras políticas e organizações de direitos humanos expressaram choque e repúdio à sugestão do senador argentino. Em diversos países, líderes políticos e ativistas reagiram veementemente, condenando a ideia como contrária aos princípios básicos de dignidade humana e justiça social. Nos Estados Unidos, o governo Biden manifestou preocupação com a proposta, destacando que políticas que colocam crianças em situações vulneráveis não têm lugar em uma sociedade moderna e progressista. Organizações como a Human Rights Watch e o UNICEF também se pronunciaram, alertando para os potenciais impactos devastadores que a medida poderia ter sobre as crianças e suas famílias. Diante da intensa reação negativa, o Senado argentino convocou uma sessão extraordinária para discutir a emenda proposta por Pagotto. Parlamentares de diferentes partidos se pronunciaram contra a medida, enfatizando a necessidade de proteger os direitos das crianças e garantir políticas públicas que apoiem famílias em situação de vulnerabilidade sem comprometer a segurança e o bem-estar dos menores. Durante o debate legislativo, várias emendas foram propostas para modificar o texto original e restringir qualquer interpretação que pudesse permitir a venda de crianças. O senador Pagotto, por sua vez, defendeu sua proposta como uma medida de último recurso para famílias desesperadas, argumentando que a legislação existente não oferece soluções adequadas para situações extremas de pobreza. Especialistas em direito internacional e direitos humanos também se manifestaram sobre o assunto, destacando que a proposta de Pagotto não apenas contraria normas internacionais, mas também reflete uma falha grave na abordagem governamental em relação à pobreza e ao apoio social. Eles argumentam que, em vez de legalizar práticas tão extremas, os governos deveriam investir em políticas públicas robustas que ofereçam suporte financeiro e social às famílias em dificuldades. Acadêmicos argentinos lançaram uma petição pedindo a revogação imediata da emenda proposta e instando o governo a fortalecer os programas de assistência social e proteção infantil. Eles afirmam que, embora a intenção por trás da proposta possa ser de ajudar famílias vulneráveis, os métodos propostos são moral e legalmente indefensáveis. À medida que o debate sobre a proposta de Pagotto continua, a sociedade argentina enfrenta um momento crucial na definição de seus valores éticos e no fortalecimento de suas políticas públicas. A reação generalizada contra a ideia de permitir a venda de crianças reflete um consenso claro sobre a importância de proteger os direitos humanos básicos e garantir um futuro digno para todas as crianças, independentemente de sua situação socioeconômica. Enquanto isso, o Senado argentino continua a deliberar sobre as emendas propostas e os ajustes necessários à legislação existente. A pressão pública e internacional sobre o governo argentino para que rejeite essa proposta controversa é intensa, e o mundo observa atentamente como a situação se desenvolverá nas próximas semanas. Em última análise, a controvérsia gerada pela proposta de Pagotto não apenas expõe as divisões dentro da política argentina, mas também desafia os fundamentos éticos e morais que regem as sociedades modernas.

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado