Senador Marcos do Val acusa Lula e Alexandre de Moraes de tornar policiais federais ‘reféns’ e alerta: ‘Estão revoltados’ Senador Marcos do Val acusa Lula e Alexandre de Moraes de tornar policiais federais ‘reféns’ e alerta: ‘Estão revoltados’ Senador Marcos do Val acusa Lula e Alexandre de Moraes de tornar policiais federais ‘reféns’ e alerta: ‘Estão revoltados’ Pular para o conteúdo principal

Senador Marcos do Val acusa Lula e Alexandre de Moraes de tornar policiais federais ‘reféns’ e alerta: ‘Estão revoltados’

Durante um pronunciamento ao vivo impactante, o senador Marcos do Val ergueu sua voz contra o que descreveu como uma onda de perseguições políticas por parte de agentes da Polícia Federal, instigados por decisões judiciais controversas. O senador, conhecido por sua posição firme em defesa dos direitos civis e da integridade institucional, criticou duramente a invasão de domicílios e apreensões arbitrárias de bens, que ele alega terem motivações políticas claras. Marcos do Val começou seu discurso relembrando um episódio pessoal doloroso: a invasão de sua própria casa e de seu gabinete. Segundo ele, durante o incidente, os agentes responsáveis teriam justificado suas ações com o clichê "nós temos que cumprir ordens". Para o senador, essa justificativa é inaceitável e lembra os julgamentos de Nuremberg, onde indivíduos que alegaram estar apenas seguindo ordens foram condenados por crimes graves. "Não podemos aceitar que ordens ilegais sejam seguidas cegamente", enfatizou Marcos do Val, referindo-se às ações que considera desproporcionais e contrárias aos princípios democráticos. Ele ainda alertou para o perigo de uma polícia politizada, especialmente em um contexto onde decisões judiciais parecem desconsiderar os direitos fundamentais dos cidadãos. O senador também trouxe à tona documentos que, segundo ele, ligam agentes da Polícia Federal a ações questionáveis lideradas por autoridades judiciais de alto escalão. Essas alegações provocaram uma onda de preocupação tanto entre os membros da corporação quanto entre os observadores externos, levantando questões sobre a independência e a imparcialidade das investigações em curso. "Os policiais federais que se encontram nessa situação foram tomados como reféns de uma política que não condiz com os princípios que sempre admiramos na Polícia Federal", lamentou o senador. Ele destacou a transformação da instituição, que, em sua opinião, está sendo cooptada para servir a agendas políticas específicas em detrimento de seu papel tradicional de combate à corrupção e à criminalidade. Em um apelo direto aos membros da Polícia Federal, Marcos do Val ressaltou a gravidade das consequências de seguir ordens que violam claramente os direitos humanos e constitucionais. Ele expressou preocupação com o possível envolvimento desses agentes em fóruns internacionais de direitos humanos, alertando sobre as ramificações de tais ações para suas carreiras e reputações. "É fundamental que compreendamos a importância de resistir a ordens que claramente ultrapassam os limites legais", enfatizou o senador, destacando a necessidade urgente de restaurar a integridade da Polícia Federal e proteger sua função vital na sociedade brasileira. Ao discutir as operações que têm visado adversários políticos e críticos da atual administração, Marcos do Val não poupou críticas ao que descreve como abusos de poder e um uso seletivo e injusto do sistema judicial. Ele apontou para inquéritos conduzidos pelo Supremo Tribunal Federal que, segundo ele, têm sido marcados por técnicas invasivas como "fishing expedition", onde investigações amplas são realizadas em busca de qualquer indício que justifique acusações pré-concebidas. "A justiça não pode ser utilizada como uma arma política para silenciar vozes dissidentes", declarou o senador, ecoando preocupações crescentes dentro e fora do Brasil sobre o estado da democracia e do estado de direito no país. O pronunciamento de Marcos do Val também trouxe à tona críticas recentes feitas por outros líderes políticos e figuras públicas, incluindo o ex-presidente Jair Bolsonaro e a subprocuradora Lindôra Araújo da Procuradoria-Geral da República. Todos têm levantado questões sobre o abuso de poder e a falta de transparência em investigações que afetam diretamente a liberdade de expressão e o direito à opinião política divergente. À medida que a discussão avança no cenário político brasileiro, o papel da Polícia Federal e a integridade do sistema judicial continuam sendo debatidos intensamente. As preocupações levantadas por Marcos do Val refletem um temor generalizado de que as instituições fundamentais do país estejam sendo comprometidas por interesses políticos estreitos, em detrimento dos direitos individuais e da justiça equitativa. Em última análise, o senador encerrou seu discurso com um apelo à ação coletiva e à vigilância cívica, enfatizando a necessidade urgente de proteger os pilares da democracia contra qualquer forma de abuso ou corrupção. Seu alerta ressoa como um lembrete vívido do preço da inação em face das ameaças contínuas à liberdade e à justiça no Brasil contemporâneo.

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado