O silêncio amedrontador de Barroso O silêncio amedrontador de Barroso O silêncio amedrontador de Barroso Pular para o conteúdo principal

O silêncio amedrontador de Barroso

A declaração do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso, sobre a tramitação do Projeto de Lei 1.904/24, que equipara o aborto ao homicídio simples após a 22ª semana de gestação, revela a contínua atuação do STF em áreas que deveriam ser de competência exclusiva do Congresso Nacional. Ao afirmar que só vai opinar sobre o assunto se e quando ele chegar ao Supremo, Barroso tenta afastar a responsabilidade, mas a história recente mostra que o STF tem frequentemente intervindo em questões que deveriam ser debatidas e decididas pelo Legislativo. O projeto de lei aprovado em regime de urgência pela Câmara dos Deputados reflete uma importante discussão sobre os limites legais e éticos do aborto. Atualmente, a lei brasileira permite a interrupção da gravidez em casos específicos como estupro, risco de vida para a mulher e anencefalia fetal, sem estipular um prazo máximo de gestação para esses abortos. A proposta de fixar em 22 semanas o prazo máximo para abortos legais e aumentar a pena para quem realizar o procedimento após esse período é um esforço para ajustar a legislação às novas realidades e preocupações sociais. Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, ao declarar que o texto passará por comissões e será tratado com cautela, indica um compromisso com um processo legislativo mais rigoroso e participativo, algo que deveria ser a norma e não a exceção. No entanto, a declaração de Barroso sobre esperar o projeto chegar ao STF antes de se manifestar não oculta o fato de que o tribunal tem frequentemente legislado por meio de suas decisões, ultrapassando os limites de seu papel constitucional. Esse comportamento do STF tem gerado críticas por parte de diversos setores da sociedade que veem nisso uma usurpação das funções do Legislativo. A separação dos poderes é um princípio fundamental da democracia, garantindo que cada ramo do governo opere dentro de seus próprios limites e competências. Quando o STF toma para si a responsabilidade de decidir sobre questões que deveriam ser debatidas e resolvidas pelo Congresso, ele enfraquece a legitimidade das decisões legislativas e mina a confiança do público no sistema democrático. É crucial que o STF respeite os limites de seu papel e permita que o Congresso Nacional, como representante legítimo do povo brasileiro, tome as decisões sobre temas sensíveis como o aborto. O debate sobre o Projeto de Lei 1.904/24 deve ocorrer no Congresso, onde há espaço para a participação de diversas vozes e interesses, refletindo a diversidade e a complexidade da sociedade brasileira.

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado