Moraes ignora ponderações do presidente do CFM e exige que hospitais comprovem que cumpriram decisão sobre o "feticídio" Moraes ignora ponderações do presidente do CFM e exige que hospitais comprovem que cumpriram decisão sobre o "feticídio" Moraes ignora ponderações do presidente do CFM e exige que hospitais comprovem que cumpriram decisão sobre o "feticídio" Pular para o conteúdo principal
;

Moraes ignora ponderações do presidente do CFM e exige que hospitais comprovem que cumpriram decisão sobre o "feticídio"

Na tarde de quarta-feira, o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), José Hiran da Silva Gallo, compareceu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para reforçar a posição da entidade contra a prática da assistolia fetal. Este procedimento controverso envolve a injeção de substâncias no feto para interromper seu batimento cardíaco antes de um procedimento de interrupção da gravidez. Gallo foi recebido pelo ministro Alexandre de Moraes, com quem discutiu os aspectos técnicos e éticos dessa intervenção médica. A reunião aconteceu em meio a um contexto de debate jurídico e ético acalorado, após a suspensão de uma resolução do CFM pelo próprio ministro Moraes, no mês de maio. Essa resolução inicialmente proibia a assistolia fetal, mas sua implementação foi interrompida pela decisão do STF, que levantou questões sobre sua constitucionalidade e impacto na prática médica. Durante seu encontro com Alexandre de Moraes, Gallo expressou sua preocupação com o que ele descreveu como "crueldade para com o feto". Em declarações à imprensa após a reunião, o presidente do CFM enfatizou: "O procedimento da assistolia fetal é cruel para o feto. Nós viemos explicar para ele como é essa técnica. Essa técnica é feticídio". A posição do CFM baseia-se na visão de que a assistolia fetal constitui uma forma de terminação da gravidez que não respeita os direitos e a dignidade do feto. Para eles, o ato de interromper deliberadamente o batimento cardíaco fetal antes da conclusão da gestação representa uma violação ética grave, independentemente das circunstâncias que levam à decisão de interrupção da gravidez. A audiência no STF foi solicitada pelo CFM como parte de seu esforço contínuo para influenciar a interpretação legal e regulatória sobre questões médicas sensíveis. A decisão de Moraes de suspender a resolução do CFM provocou reações intensas dentro da comunidade médica e entre grupos pró-vida e pró-escolha, cada um defendendo perspectivas opostas sobre o direito à vida e a autonomia reprodutiva. Em sua argumentação perante o ministro, Gallo apresentou evidências científicas e médicas que, segundo o CFM, sustentam a visão de que a assistolia fetal não deve ser permitida como procedimento médico padrão. Ele destacou preocupações éticas e técnicas, incluindo possíveis riscos adicionais para a saúde da mulher e implicações morais e psicológicas decorrentes da aplicação dessa técnica. Para o CFM, a decisão de Moraes de suspender a proibição da assistolia fetal representa um precedente perigoso que poderia potencialmente abrir caminho para práticas médicas controversas e moralmente questionáveis. Eles argumentam que a legislação e a regulamentação médica devem proteger tanto a mãe quanto o feto, garantindo que decisões de saúde reprodutiva sejam tomadas com base em critérios médicos éticos e científicos robustos. A discussão no STF também destacou a complexidade das questões legais e bioéticas que cercam o aborto e outras intervenções médicas durante a gravidez. Enquanto defensores dos direitos reprodutivos argumentam que a decisão de interromper uma gravidez deve ser uma escolha exclusiva da mulher, independentemente das circunstâncias médicas envolvidas, o CFM e outros críticos da assistolia fetal levantam preocupações sobre os limites éticos da intervenção médica em gestações avançadas. Ao final do encontro com Moraes, José Hiran da Silva Gallo reiterou o compromisso do CFM em continuar defendendo seus princípios éticos e científicos perante o Judiciário brasileiro. Ele expressou esperança de que o tribunal considere cuidadosamente os argumentos apresentados e tome uma decisão que reflita um equilíbrio justo entre proteção à saúde pública, direitos reprodutivos e considerações éticas fundamentais. Enquanto o debate continua a evoluir tanto nos tribunais quanto na esfera pública, a questão da assistolia fetal permanece um ponto de controvérsia intensa e divisão dentro da sociedade brasileira, refletindo profundas divergências sobre questões de vida, saúde e autonomia reprodutiva.

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado