Delegado preso no Caso Marielle deixa recado para Moraes. Delegado preso no Caso Marielle deixa recado para Moraes. Delegado preso no Caso Marielle deixa recado para Moraes. Pular para o conteúdo principal

Delegado preso no Caso Marielle deixa recado para Moraes.

No âmbito do complexo e sensível caso do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, novos desenvolvimentos surgiram com um impacto dramático no cenário judicial brasileiro. O delegado Rivaldo Barbosa, anteriormente envolvido nas investigações, agora enfrenta acusações formais e, desde sua detenção, deixou um recado direto ao Supremo Tribunal Federal (STF) através de um mandado de citação.
O documento, que oficializa a denúncia contra Barbosa, contém uma mensagem escrita à mão pelo próprio delegado, dirigida ao ministro Alexandre de Moraes, relator do caso no STF. Nesta carta, Rivaldo Barbosa nega veementemente qualquer envolvimento com os co-réus mencionados no processo e alega que o Inquérito 901-00266-19 possui evidências técnicas que contradizem as acusações feitas contra ele. "Aos Exmos. ministros e à eternidade: 1 – eu nunca falei com esses outros denunciados; 2 – o Inq. 901-00266-19 possui provas técnicas da mentira do assassino da vereadora Marielle e do motorista Anderson; 3 – no STJ há uma decisão que eu não participei das investigações", foram as palavras escritas por Barbosa, inseridas no mandado de citação.
Esse gesto do delegado preso adiciona uma camada intrigante ao caso que já capturou a atenção do público e da mídia nacional e internacional. Desde o fatídico dia do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, em março de 2018, o Brasil tem buscado respostas claras sobre os motivos e os responsáveis por esse crime que abalou a política e a sociedade carioca. O recado de Barbosa foi entregue em meio a um contexto jurídico complexo, com múltiplas partes envolvidas e acusações cruzadas. Além do delegado, outros réus incluem figuras proeminentes como os irmãos Brazão e o policial militar Ronald Paulo de Alves Pereira. Este último, junto com Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, são apontados como os executores do crime, conforme revelado em depoimentos e investigações posteriores.
A defesa de Rivaldo Barbosa baseia-se na existência de um inquérito de 2019 (Inq. 901-00266-19) para sugerir que ele não teria tentado obstruir a investigação dos irmãos Brazão durante seu mandato como chefe de Polícia. Esse inquérito inclui quebras de sigilo telemático dos mencionados irmãos, lançando dúvidas sobre as alegações de conluio ou manipulação por parte de Barbosa. Além disso, o delegado faz referência a uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de maio de 2020, que negou o pedido de federalização das investigações do caso Marielle. Esse incidente de deslocamento de competência foi proposto pela então procuradora-geral da República, Raquel Dodge, com base em indícios de corrupção envolvendo Barbosa e outros servidores públicos. No entanto, a relatora do caso no STJ, ministra Laurita Vaz, destacou que Rivaldo Barbosa não estava diretamente à frente das investigações principais sobre o assassinato. A complexidade do caso Marielle Franco tem sido marcada por reviravoltas e ações judiciais que refletem não apenas a busca por justiça, mas também as tensões políticas e institucionais no Brasil. A decisão do STF de tornar réus os acusados de planejar o assassinato de Marielle e Anderson Gomes em junho deste ano representa um passo significativo, mas o caminho para a verdade completa ainda parece longo e sinuoso. Enquanto a investigação prossegue e os réus se preparam para seus julgamentos, a sociedade brasileira observa atentamente, consciente da necessidade de transparência e responsabilidade em todos os níveis do sistema judicial. O caso Marielle Franco não é apenas um teste para o sistema de justiça do país, mas também um lembrete vívido da importância de proteger os defensores dos direitos humanos e enfrentar a violência política com determinação. À medida que o recado de Rivaldo Barbosa ao STF se torna parte integrante dos autos do processo, a narrativa em torno deste caso emblemático continua a evoluir. O que começou como um ato de brutalidade contra uma defensora dos direitos humanos transformou-se em um teste crítico para a capacidade do Brasil de confrontar seu passado de impunidade e assegurar um futuro mais justo para todos os seus cidadãos. Este é um capítulo crucial na história judicial do país, um momento em que a verdade e a justiça para Marielle Franco e Anderson Gomes estão em jogo. Enquanto o processo avança, a sociedade aguarda ansiosamente por respostas definitivas e por um desfecho que traga consigo a esperança de um sistema judicial mais transparente e eficaz para todos os brasileiros.

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado