Tapa na cara: Justiça devolve casas e carros confiscados de Palocci na Lava Jato Tapa na cara: Justiça devolve casas e carros confiscados de Palocci na Lava Jato Tapa na cara: Justiça devolve casas e carros confiscados de Palocci na Lava Jato Pular para o conteúdo principal
;

Tapa na cara: Justiça devolve casas e carros confiscados de Palocci na Lava Jato

Antônio Palocci, ex-ministro da Casa Civil, teve seis casas e cinco carros devolvidos pela Justiça Federal. Esses bens estavam bloqueados devido às investigações da Operação Lava Jato, conforme divulgado pelo site Diário do Poder na quinta-feira, 4. A ordem de devolução veio da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, sob a assinatura do juiz Danilo Pereira Júnior. Segundo o juiz, os bens foram devolvidos porque não existem mais impedimentos para que Palocci tenha acesso ao seu patrimônio. Palocci serviu como ministro da Fazenda de 2003 a 2006, durante o primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele também fez parte do governo de Dilma Rousseff em 2011, atuando como ministro da Casa Civil, o principal departamento da administração federal. Em setembro de 2016, durante a Operação Lava Jato, Palocci foi preso. A prisão foi autorizada por Sergio Moro, que era juiz federal na época. Palocci fez um acordo de delação premiada e fez acusações contra Lula em seus depoimentos. Ele descreveu a suposta venda de medidas provisórias a grandes empresários em troca de dinheiro não contabilizado. Palocci foi acusado de negociar propinas com o Grupo Odebrecht, que se beneficiou de contratos com a Petrobras. Alega-se que o ex-ministro também recebeu parte do dinheiro para intermediar propinas pagas pela empresa ao Partido dos Trabalhadores (PT). Em 2017, Palocci foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Devido ao acordo de delação premiada, ele começou a cumprir uma pena provisória em regime semiaberto domiciliar em 2018. Junto com o ex-ministro, outros 12 réus foram condenados. Entre eles estão Marcelo Odebrecht, ex-presidente do Grupo Odebrecht, e os publicitários Mônica Moura e João Santana. Antônio Palocci, ex-ministro da Casa Civil, teve seis casas e cinco carros devolvidos pela Justiça Federal. Esses bens estavam bloqueados devido às investigações da Operação Lava Jato, conforme divulgado pelo site Diário do Poder na quinta-feira, 4. A ordem de devolução veio da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, sob a assinatura do juiz Danilo Pereira Júnior. Segundo o juiz, os bens foram devolvidos porque não existem mais impedimentos para que Palocci tenha acesso ao seu patrimônio. Palocci serviu como ministro da Fazenda de 2003 a 2006, durante o primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele também fez parte do governo de Dilma Rousseff em 2011, atuando como ministro da Casa Civil, o principal departamento da administração federal. Em setembro de 2016, durante a Operação Lava Jato, Palocci foi preso. A prisão foi autorizada por Sergio Moro, que era juiz federal na época. Palocci fez um acordo de delação premiada e fez acusações contra Lula em seus depoimentos. Ele descreveu a suposta venda de medidas provisórias a grandes empresários em troca de dinheiro não contabilizado. Palocci foi acusado de negociar propinas com o Grupo Odebrecht, que se beneficiou de contratos com a Petrobras. Alega-se que o ex-ministro também recebeu parte do dinheiro para intermediar propinas pagas pela empresa ao Partido dos Trabalhadores (PT). Em 2017, Palocci foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Devido ao acordo de delação premiada, ele começou a cumprir uma pena provisória em regime semiaberto domiciliar em 2018. Junto com o ex-ministro, outros 12 réus foram condenados. Entre eles estão Marcelo Odebrecht, ex-presidente do Grupo Odebrecht, e os publicitários Mônica Moura e João Santana . Informações Revista Oeste

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado