Moraes absolve preso em 8/1 apontado como ‘infiltrado’ e acusado de pertencer ao Comando Vermelho Moraes absolve preso em 8/1 apontado como ‘infiltrado’ e acusado de pertencer ao Comando Vermelho Moraes absolve preso em 8/1 apontado como ‘infiltrado’ e acusado de pertencer ao Comando Vermelho Pular para o conteúdo principal
;

Moraes absolve preso em 8/1 apontado como ‘infiltrado’ e acusado de pertencer ao Comando Vermelho

O ministro Alexandre de Moraes votou, no Supremo Tribunal Federal, pela absolvição de um homem de 27 anos preso durante a invasão do Congresso em 8 de janeiro do ano passado. Na ocasião, segundo relatos de policiais, ele era hostilizado por outros manifestantes, que o acusavam de ser “petista”, “vagabundo” e um “infiltrado” na manifestação. Moraes considerou que não havia provas de que ele estava no local para tentar um golpe de Estado, impedir o exercício dos poderes, depredar o patrimônio público e se associar a outros manifestantes, dezenas dos quais já condenados pelos crimes. No processo, os policiais disseram que prenderam Geraldo Filipe da Silva, de 27 anos e oriundo de Pernambuco, junto com outros dois homens. Segundo os manifestantes, o grupo teria ateado fogo e depredado uma viatura da Polícia Legislativa. Um deles, Josiel Gomes de Macedo estava com um rádio comunicador e dinheiro; outro, Gesnando Moura da Rocha, portava uma balaclava. Geraldo, segundo o tenente Luiz de Carvalho Leal Neto, estava com uma tocha de fogo. Usava camisa preta, um casaco de capuz preto, calça de moleton e estava descalço. Ao ser interrogado pela polícia, Geraldo disse que estava há três meses em Brasília. Havia deixado Pernambuco para fugir do PCC, que o acusava de pertencer ao Comando Vermelho, facção criminosa rival. Na capital federal, estava em situação de rua, acolhido num abrigo perto da Esplanada dos Ministérios. Resolveu ir ao local, no dia 8 de janeiro de 2023, por curiosidade. Ao juiz do processo, disse que não votou no ex-presidente Jair Bolsonaro e não estava se manifestando com os demais. “Aquilo ali era uma baderna na verdade”, disse, acrescentando que deixava deixar o local no momento da prisão e que se não fosse preso, seria espancado. Geraldo ficou preso por preso por mais de 11 meses e a Procuradoria-Geral da República, que incialmente o denunciou, pediu a absolvição no final do processo. Moraes considerou que não havia prova suficiente para condená-lo. “Não há provas de que o denunciado tenha integrado a associação criminosa, seja se amotinando no acampamento erguido nas imediações do QG do Exército, seja de outro modo contribuindo para a execução ou incitação dos crimes e arregimentação de pessoas. Não está comprovado, portanto, que Geraldo Filipe da Silva tenha se aliando subjetivamente à multidão criminosa (consciência da colaboração e voluntária adesão) e, consequentemente, concorrido para a prática dos crimes, somando sua conduta, em comunhão de esforços com os demais autores”, escreveu o ministro no voto. Até o final da semana que vem, os outros 10 ministros do STF devem votar no caso para a decisão final sobre o caso. É a primeira vez que Moraes, relator dos processos do 8 de Janeiro, vota pela absolvição de um acusado. Com informações Gazeta do Povo

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado