Indicado por Lula para o STF, Flávio Dino já criticou indicação política em tribunais Indicado por Lula para o STF, Flávio Dino já criticou indicação política em tribunais Indicado por Lula para o STF, Flávio Dino já criticou indicação política em tribunais Pular para o conteúdo principal

Indicado por Lula para o STF, Flávio Dino já criticou indicação política em tribunais

Indicado pelo presidente Lula (PT) para ocupar uma cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro da Justiça, Flávio Dino, já criticou a indicação política em tribunais e defendeu controle do Judiciário.

As considerações de Dino foram feitas em uma dissertação para obtenção do título de mestre pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em 2001.

Na mesma época em que Dino apresentou a dissertação, estava em debate a criação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que tem como função controlar a atuação do Judiciário. Em 2001, Flávio Dino atuava como juiz federal.

Em um determinado trecho da dissertação intitulada “Autogoverno e controle do Judiciário no Brasil”, Dino reflete sobre “alterações estruturais destinadas a aumentar a permeabilidade social do Judiciário” e “diminuir a inferência do Poder Executivo na seleção dos membros dos Tribunais".

Para o então juiz, o fato de as indicações de juízes partirem de chefes do Poder Executivo não significa que elas reflitam a vontade popular, mesmo que se use como argumento a ideia de que o responsável pela indicação chegou ao cargo por meio do voto e seria, em tese, representante da vontade do povo.

Para Dino, essa visão é “puramente formal” e “despreza as inúmeras distorções que o nosso sistema político-eleitoral possui, mormente a dissociação entre o programa político-ideológico apresentado aos eleitores e o que é efetivamente implementado”.

“Assim, entre a vontade popular e a indicação feita por um político para um cargo judiciário existem muitas mediações que não podem ser olvidadas numa análise mais aprofundada (compensação a parlamentares não reeleitos, necessidade de selar alianças partidárias, simpatias pessoais etc). De outra face, tal concepção coloca em segundo plano o valor da independência judicial, confundindo-a em termos absolutos com corporativismo e não enxergando a sua importância no Estado Democrático de Direito. Entre um extremo e outro, cremos que o melhor sistema de recrutamento prevê, no caso dos Tribunais Superiores, algum grau de participação dos outros Poderes do Estado, contudo com regras objetivas que limitem a sua discricionariedade, por exemplo o estabelecimento de percentuais de vagas destinadas a integrantes da Magistratura, do Ministério Público, do corpo docente dos cursos jurídicos das Universidades públicas…”, diz outro trecho da explicação dada por Dino em uma nota de rodapé.

Apesar da crítica, Dino está sendo beneficiado pelo mesmo sistema que, segundo ele, falha ao garantir a legitimidade da indicação.

Dino também disse que o Judiciário enfrentava, já naquela época, uma crise de “identidade, desempenho e imagem” e falou de forças que incidem sobre a autonomia dos juízes.

“A independência judicial não é um valor absoluto e a-histórico, portanto ela tem seus contornos concretamente delineados a partir do confronto com outros valores de idêntica estatura. Neste plano indubitavelmente situa-se o dever democrático de prestar contas (“accountability”) – inerente ao exercício de uma função pública. Logo, a independência judicial é temperada pela possibilidade de o Juiz ser responsabilizado caso se afaste da finalidade em razão da qual aquela é estatuída”, escreveu Dino.

Gazeta do Povo
VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM DOAÇÕES DE QUALQUER VALOR ATRAVÉS DO PIX:EMAIL:JORNALDADIREITAONLINE@OUTLOOK.COM

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n