Estado nos EUA decide bloquear candidatura de Donald Trump em 2024 Estado nos EUA decide bloquear candidatura de Donald Trump em 2024 Estado nos EUA decide bloquear candidatura de Donald Trump em 2024 Pular para o conteúdo principal

Estado nos EUA decide bloquear candidatura de Donald Trump em 2024

O Secretário de Estado do Maine, Shenna Bellows, retirou na quinta-feira o ex-presidente Donald Trump das eleições primárias presidenciais do estado sob a cláusula de insurreição da Constituição dos Estados Unidos. 

Essa é a primeira vez que um funcionário eleitoral toma medidas unilateralmente com possíveis consequências para o Colégio Eleitoral.

O Maine tem apenas quatro votos no Colégio Eleitoral, mas é um dos dois estados que os distribuem proporcionalmente ao resultado da eleição. Trump venceu um dos eleitores do Maine em 2020, então sua remoção das urnas pode ter implicações importantes na eleição presidencial de 2024, que deve ser decidida por uma margem estreita.

Há poucos dias, a Suprema Corte do Colorado emitiu uma decisão que remove Trump da votação estadual com base na Seção 3 da 14ª Emenda Constitucional. 

Essa emenda proíbe que qualquer pessoa que tenha “participado de qualquer insurreição” ocupe um cargo público nos Estados Unidos. O Colorado é um estado de tendência democrata, onde não se espera que os republicanos sejam competitivos em novembro.


Bellows, uma democrata, decidiu que Trump não poderia mais concorrer à presidência porque seu papel no ataque ao Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro de 2021 violou a Seção 3. Ela emitiu a decisão depois que alguns residentes do estado, incluindo um grupo bipartidário de ex-legisladores, contestaram a inclusão de Trump nas urnas.

A decisão de Bellows pode ser contestada na Justiça. Trump já anunciou que vai recorrer da decisão da Suprema Corte do Colorado, e é provável que ele faça o mesmo em relação à decisão de Bellows.

Gazeta Brasil

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n