“Sim, nós pintamos meio fio”: Blog oficial do Exército divulga texto em resposta a críticas “Sim, nós pintamos meio fio”: Blog oficial do Exército divulga texto em resposta a críticas “Sim, nós pintamos meio fio”: Blog oficial do Exército divulga texto em resposta a críticas Pular para o conteúdo principal

“Sim, nós pintamos meio fio”: Blog oficial do Exército divulga texto em resposta a críticas

Em dissertação publicada como obvia resposta à parcela da sociedade, que alega – desde dezembro de 2022 – que o Exército Brasileiro “só serve para pintar meio fio”, críticos à suposta inação dos oficiais generais que comandam as Forças Armadas diante de insistentes pedidos de ações que analistas militares mais conservadores acreditavam que poderiam atirar o país no caos completo, o Tenente Coronel Maurício Gröhs, que comanda um dos depósitos de suprimeitos da força terrestre, discorre sobre questões como o simbolismo que há nas atividades ordeiras e rotineiras dos militares do Exército Brasileiro.

O oficial – de soslaio – critica o relativismo cultural ao dizer que em nossa sociedade “o belo está se perdendo”. Ele também discorre um pouco sobre o conservadorismo do Exército, destaca a força como como não estática e como exemplo disso menciona o fim de uma regra que absurdamente perdurou até os anos 2000, proibindo e punindo militares que fardados incorressem no terrível erro de usar guarda-chuva – sem mencionar que oficiais generais desembarcando de carros oficiais sempre eram a exceção permitida.

Por fim, o texto dá a entender que em meio ao caos alguém – o Exército – precisa impor a ordem: “Precisamos ser a ordem em meio ao caos“.


Sim, nós pintamos o meio-fio! E também engraxamos nossos coturnos. Sim, nós cortamos a grama! E também temos nossos cabelos cortados. Nós prezamos pela ordem em desfavor do caos. “Deixe sua casa em perfeita ordem antes de criticar o mundo”, defende o pensador canadense Jordan B. Peterson 1.

O belo está se perdendo na sociedade contemporânea, em todos os aspectos da cultura. Nas esculturas, na música, na arquitetura, na aparência e na comunicação. Na conduta, princípios basilares de convivência social são constantemente relativizados.

O Exército Brasileiro é uma instituição conservadora. Mas isso não significa que seja rígida ao ponto de ser estática. A instituição moderniza-se constantemente; como por exemplo: o Projeto Estratégico Cobra, com substituição dos Fuzis 7,62 M964 pelos Fuzis IMBEL IA2; o Programa Estratégico Forças Blindadas, com aquisição de viaturas blindadas (VBTP GUARANI e LMV, da Iveco Veículos de Defesa), equipadas com tecnológicos sistemas de comando e controle e de armas remotamente controladas (torres REMAX). Ambos fomentam a inovação no país e contribuem para o fortalecimento da dissuasão.


Há evolução também na dimensão humana. Neste aspecto, merece destaque o recente ingresso das mulheres na linha de ensino militar bélico do Exército Brasileiro. Em 2018, a Escola de Sargentos de Logística formou as primeiras Sargentos de carreira de Intendência e de Material Bélico. Em 2021, a Academia Militar das Agulhas Negras formou as primeiras Aspirantes a Oficial dessas especialidades.

Há sempre aquelas regras que mudam. Pense na seguinte imagem: um militar fardado, de guarda-chuva e mochila (preta) nas costas. Uma transgressão disciplinar clara nos anos 2000, mas não nos dias atuais.

Estes exemplos servem para ilustrar que ser conservador não significa ser contra mudanças. Significa, sim, conservar “um conjunto de valores, deveres e princípios de ética que são referenciais fixos, imutáveis e universais” 2, em meio às mudanças necessárias face a evoluções de cenários do mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo 3 que vivemos.


Os valores, os deveres e a ética militar devem constituir uma base imutável, ou seja, não podem ser relativizados. O Vade-Mécum 10 de Cerimonial Militar do Exército é claro quanto a isso e reforça o argumento, lembrando que estes elementos basilares devem pautar a vida do militar, como cidadão e como soldado 4. Não pode haver uma dupla personalidade!

Integridade. Palavra com muito significado. Tomando como referência Stephen R. Covey, integridade pode ser definida como a capacidade de assumir compromissos e honrá-los, vivendo com base em princípios imutáveis e universais 5.

Todos nós, militares, devemos honrar o compromisso do soldado 6. Devemos optar pela ordem, devemos voltar nossas ações para manutenção da integridade pessoal, da instituição e da Pátria. E trabalhamos diariamente para que o caos de valores não se transforme em nosso “novo normal”, para que não haja relativização de valores.

Imagine a seguinte situação hipotética: “Ah, mas o militar só pegou uma farda que não era dele. Ele será excluído ‘a bem da disciplina’ só por isso?” Poderiam ser descritos aqui, longamente, os fundamentos dessa decisão que, para alguns “desatentos”, poderia parecer drástica.

Mas foquemos apenas em algo escrito há muito tempo e ainda válido: “Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito. Quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito” (Lucas 16:10-11) 7. Não pode haver relativização!

É dever militar zelar pelo patrimônio público de que dispomos para cumprir nossa missão. Mas, além disso, o meio-fio pintado e a grama cortada fazem parte do nosso “deixar a casa em perfeita ordem”, visto que transmitem “significados e valores que nos são relevantes e que desejamos conscientemente expressar” 8.

Assim como cuidamos de nosso patrimônio, devemos sempre fortalecer a dimensão humana da Força Terrestre. É nosso dever prezar pela ordem, prezar por valores centenários, historicamente defendidos por nossos heróis, representados principalmente pelos patronos (estando Duque de Caxias no pináculo desta nobre galeria).

É assim que tem que ser. Precisamos ser a ordem em meio ao caos.

Revista Sociedade Militar/Robson Augusto

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado