Morador de Cascavel é condenado no STF a 17 anos de prisão por atos do 8 de janeiro Morador de Cascavel é condenado no STF a 17 anos de prisão por atos do 8 de janeiro Morador de Cascavel é condenado no STF a 17 anos de prisão por atos do 8 de janeiro Pular para o conteúdo principal
;

Morador de Cascavel é condenado no STF a 17 anos de prisão por atos do 8 de janeiro


 

Moacir José dos Santos, de 52 anos, morador de Cascavel, no oeste o Paraná, foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 17 anos de prisão por (perseguição) atos do 8 de janeiro. O julgamento terminou na noite se segunda-feira (2).

O regime de cumprimento da pena é inicialmente fechado. O G1 tenta contato com a defesa de Moacir.
Ele foi condenado por associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, tentativa de golpe de Estado, dano qualificado e deterioração de patrimônio tombado.

Além da prisão, foi fixado valor de R$ 30 milhões em danos morais coletivos, que será dividido com todos os que forem condenados pelo envolvimento nos atos perseguitórios.

Investigação

Moacir foi preso na data dos atos. Conforme a Polícia Federal (PF), foi encontrado material genético dele em objetos no Planalto e ainda vídeos e fotos da destruição em seu celular. Para a PF, ele contou que se deslocou a Brasília em um ônibus fretado com mais de 60 pessoas e que buscava um Brasil melhor, sendo defensor das escrituras sagradas.

Nos termos da denúncia do Ministério Público, Moacir atuou na destruição do Planalto. Quando foi interrogado, disse que a manifestação era pacífica. Também "negou ter praticado violência contra policiais ou membros de força de segurança" e alegou que "não danificou nenhum bem".

Antes da condenação dele na segunda (2), a defesa de Moacir afirmou que ele só entrou no Planalto por instinto e para se proteger de bombas lançadas pela PM, sendo que os próprios policiais acenavam para que os manifestantes entrassem no prédio. A defesa pedia a absolvição dele alegando que o homem não cometeu nenhum fato delituoso, não se associou a ninguém e nem estava armado.

Quem é Moacir?

Nas redes sociais Moacir afirma que é autônomo. O emprego mais recente, conforme consta em uma das redes sociais, foi o de motorista em uma empresa de paisagismo da cidade. O G1 fez contato com a empresa, que afirmou que ele trabalhou no local há cerca de dois anos, mas que não faz mais parte do quadro de funcionários do local.

Algumas postagens do perfil mostram selo de notícia falsa no perfil de Moacir, que foi condenado pelo STF por atos do 8 de janeiro.

Crimes que ele foi condenado 

  • Associação criminosa armada: ocorre quando há a associação de três ou mais pessoas, com o intuito de cometer crimes.
A pena inicial varia de um a três anos de prisão, mas o MP pode propor aplicação do aumento de pena até a metade, previsto na legislação, se houver emprego de armas. 

  • Abolição violenta do Estado Democrático de Direito: acontece quando alguém tenta "com emprego de violência ou grave ameaça, abolir o Estado Democrático de Direito, impedindo ou restringindo o exercício dos poderes constitucionais".
A pena varia de 4 a 8 anos de prisão

  • Tentativa de golpe de Estado: fica configurado quando uma pessoa tenta "depor, por meio de violência ou grave ameaça, o governo legitimamente constituído".
A punição é aplicada por prisão, no período de 4 a 12 anos.

  • Dano qualificado pela violência e grave ameaça contra o patrimônio da União: ocorre quando a pessoa destrói, inutiliza ou deteriora coisa alheia. Neste caso, a pena é maior porque houve violência, grave ameaça, uso de substância inflamável. Além disso, foi cometido contra o patrimônio da União e com "considerável prejuízo para a vítima".
A pena é de seis meses a três anos.

  • Deterioração de patrimônio tombado: é a conduta de "destruir, inutilizar ou deteriorar bem especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial".
O condenado pode ter que cumprir pena de um a três anos de prisão.

FONTE: G1

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado