Vice, Alckmin já completou 50 dias como "presidente" do país Vice, Alckmin já completou 50 dias como "presidente" do país Vice, Alckmin já completou 50 dias como "presidente" do país Pular para o conteúdo principal

Vice, Alckmin já completou 50 dias como "presidente" do país

 


Com o retorno do presidente Lula ao Brasil, o vice-presidente Geraldo Alckmin deixa o comando do país, como é de praxe, mas pelo menos ele tem uma marca a comemorar: completou ontem o 50º dia à frente do Poder Executivo. São, no total, 255 dias desde a posse, em 1º de janeiro, o que significa dizer que a cada cinco dias este ano, Alckmin governou um. As substituições ocorreram em função das viagens feitas por Lula para outros países. Na última quinta-feira, durante o 201º aniversário da Independência, o petista foi para a Índia, onde participou de um encontro do G20, e tinha o retorno programado para as 23h de ontem. Alckmin também é o titular do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços.

No final de janeiro, logo depois da primeira viagem ao exterior, Lula revelou um detalhe, em tom de brincadeira, sobre deixar o cargo para Alckmin nestas ocasiões. "Ele foi presidente agora, por três dias, quando eu fui à Argentina, e não quis sentar na minha cadeira. Eu pedi para ele ficar na minha sala e ele disse: 'na sala eu posso ficar, mas a cadeira é do presidente, nela eu não sento'. E ele foi despachar em uma sala vizinha à do presidente. Eu volto a repetir na frente de todos os governadores: eu vou viajar muito e, quando eu viajar, na minha cadeira, vou escrever 'Geraldo Alckmin' para você poder sentar sem nenhuma preocupação porque a minha cadeira não morde, ela afaga", disse.

Com a ida à Índia, Lula chega a 13 viagens e 20 países visitados neste terceiro mandato – ultrapassando as 19 nações em que esteve em 2007, no primeiro ano do seu segundo governo, conforme levantamento feito pela BBC News. O petista repete, portanto, a tendência de intensificar as relações exteriores, ao mesmo tempo, em que a quantidade de viagens internacionais – um recorde entre todos os presidentes brasileiros – é criticada pela oposição.

Lula ainda tem pelo menos três viagens agendadas para este ano. A primeira também acontece em setembro, nos Estados Unidos, onde o presidente vai participar da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). A segunda será em novembro, para os Emirados Árabes, onde acontece a Convenção da ONU para o Clima (COP28). Por fim, em dezembro, o petista vai para a Alemanha, onde terá uma reunião de Consultas Intergovernamentais.

Como presidente em exercício, Alckmin sancionou leis, nomeou embaixadores, participou de encontros e debateu pautas econômicas, ambientais e de desenvolvimento social. Em agosto, enquanto Lula estava na África do Sul, o pessebista celebrou a aprovação do novo regime fiscal no Congresso Nacional. Na semana passada, ele viajou ao Rio Grande do Sul para visitar as áreas atingidas pelo ciclone. Coube ao presidente em exercício anunciar uma ajuda de R$ 740 milhões aos gaúchos. A dobradinha dos agora companheiros contrasta com a disputa traçada entre eles no cenário político nacional, que resultou em um embate direto no segundo turno das eleições presidenciais de 2006, quando o petista derrotou o então tucano por 60,83% a 39,17%.

Cirurgia

Alckimin ainda deverá assumir a Presidência da República por quase um mês em 2023, mesmo com Lula em território brasileiro. Isto porque, em outubro, o petista vai passar por uma cirurgia para tratar uma artrose no quadril. Caso alguma viagem seja marcada para o período, quem assume o cargo é o presidente do Congresso Nacional, o senador por Minas Gerais Rodrigo Pacheco (PSD). Em junho, por exemplo, Alckmin foi a Portugal, onde participou de um fórum e se encontrou com o presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

A Constituição Federal, em vigor desde 1988, também prevê que o presidente e o vice-presidente da República não poderão ausentar-se do país por um período superior a quinze dias sem a licença do Congresso Nacional, sob pena de perda do cargo.

FONTE: Correio Brasilense
VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM DOAÇÕES DE QUALQUER VALOR ATRAVÉS DO PIX:EMAIL:JORNALDADIREITAONLINE@OUTLOOK.COM

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n