Sem vendas, mais demissões estão a caminho. Sem vendas, mais demissões estão a caminho. Sem vendas, mais demissões estão a caminho. Pular para o conteúdo principal

Sem vendas, mais demissões estão a caminho.


A General Motors (GM) levou aos funcionários de suas fábricas paulistas a necessidade de iniciar um plano de reestruturação, em razão da piora na expectativa de vendas não apenas ao restante do ano, mas também para 2024. A primeira tentativa da montadora de abrir um programa de demissões voluntárias foi, no entanto, rejeitada na semana passada em assembleias realizadas por trabalhadores das fábricas de automóveis em São Caetano do Sul e São José dos Campos, assim como em Mogi das Cruzes, onde a montadora produz componentes.

A intenção da empresa era abrir o programa de demissão voluntária (PDV), na última segunda-feira (18), deixando o programa aberto a adesões do maior número possível de empregados até a próxima terça-feira (26). Seria voltado a funcionários com no mínimo sete anos completos de casa das áreas de produção e de suporte à manufatura. Além das verbas rescisórias previstas em lei, a montadora ofereceu oito opções de incentivos ao desligamento voluntário.

Essas opções variavam de 21 meses de plano de saúde, sem pagamento de salário adicional, a sete salários adicionais, sem cobertura de plano médico. Ou seja, quanto maior fosse o número de salários, menor seria o tempo em que o funcionário estaria protegido pelo plano de saúde após deixar a montadora. Segundo informações dos sindicatos de São Caetano, onde a GM produz os modelos Montana, Spin e Tracker, e de São José dos Campos, de onde saem a picape S10 e o utilitário esportivo TrailBlazer, ainda não foi marcada uma nova reunião para discutir medidas de readequação das fábricas.

Procurada pelo Broadcast, a GM apenas confirmou que o PDV não foi aceito nas três unidades de São Paulo. Na fábrica da montadora em Gravataí (RS), que produz o Ônix, nenhum ajuste foi apresentado aos trabalhadores, conforme o sindicato dos metalúrgicos da região.

A movimentação da GM acontece após os descontos patrocinados pelo governo nas vendas de automóveis proporcionarem um alívio apenas temporário à indústria automotiva.

Em comunicado no qual apresenta argumentos para a realização do PDV, a GM alega que a atual demanda do mercado requer que a empresa realize um plano de reestruturação para adequar sua mão de obra ao volume de produção previsto.

No documento, ao qual o Broadcast teve acesso, a montadora alega que os ajustes de produção feitos até agora pela indústria, incluindo a própria GMcomo férias coletivas e folgas – não têm sido suficientes para alinhar a produção à menor demanda.

"As projeções mostram que essa condição não deve mudar neste ano e nem em 2024, sendo que assim será necessário iniciarmos um plano de reestruturação" – informou a empresa aos empregados.

Ao contrário dos últimos anos, quando a produção foi freada pela falta de componentes eletrônicos, a montadora reconhece que o problema passou a ser a retração das vendas, como reflexo dos juros altos.

"Agora, os ajustes não são mais por falta de peças, é necessário adaptar as fábricas ao tamanho do mercado. Os juros altos para financiamento de veículos zero quilômetro retraem a demanda e, consequentemente, as projeções de vendas para os próximos meses também cai. Não há previsão de melhora, inclusive, para o ano de 2024" – reforçou a montadora.

Sem citar a Argentina, que tem eleição daqui a um mês, a GM também pontuou dificuldades de exportação a outros países da América do Sul em virtude de incertezas econômicas e políticas.

FONTE: Broadcast

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n