Pacheco Cria Lei Esdruxula Contra Parlamentares Pacheco Cria Lei Esdruxula Contra Parlamentares Pacheco Cria Lei Esdruxula Contra Parlamentares Pular para o conteúdo principal

Pacheco Cria Lei Esdruxula Contra Parlamentares



O PL (Projeto de Lei) 1.388/2023, que cria uma nova lei para o impeachment, determina que um dos crimes de responsabilidade será divulgar fake news contra a democracia. A prática será considerada um crime contra as instituições democráticas, a segurança interna e o livre exercício dos Poderes.

Segundo o artigo 7º do projeto, uma das ações que poderá motivar o impeachment será: “Divulgar, direta ou indiretamente, por qualquer meio, fatos sabidamente inverídicos, com o fim de deslegitimar as instituições democráticas”.
O texto em debate não diz com clareza como será definido o que será considerado “fake news” nem quem terá poder de analisar e assim concluir que houve uma propagação criminosa de informação falsa. Na prática, isso ficará para o plenário da Câmara e do Senado.

Conforme apurou o Poder360, a oposição no Senado avalia esses trechos como uma forma de revisionismo do governo de Jair Bolsonaro (PL). A leitura é que, se alguns dos crimes de responsabilidade previstos no projeto forem mantidos, poderiam criar problemas para políticos do grupo no futuro.

O texto de autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), começou a ser analisado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa. Originado de uma comissão comandada pelo então ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, o texto propõe uma atualização das regras do impeachment.

O texto passou a ser discutido na CCJ em setembro. O relator, senador Weverton (PDT-MA), tem expectativa de votar o projeto no Senado até o fim do ano.
O tema voltou ao centro das atenções de senadores, principalmente da oposição, depois da fala do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Roberto Barroso no 59º Congresso da UNE (União Nacional dos Estudantes), realizado em Brasília (DF), em julho. O ministro disse que "o Brasil teria derrotado o bolsonarismo." Congressistas da oposição pediram o impeachment do ministro. No entanto, apesar de discordar da fala, Pacheco sinalizou que não daria encaminhamento à solicitação.

Se aprovado no Senado, o texto ainda precisará ser avaliado pela Câmara dos Deputados para poder virar lei. Como o projeto limita os poderes de Arthur Lira (PP-AL), o texto deve enfrentar dificuldade para tramitar na Casa, ainda que seja iniciativa de Pacheco.

No projeto, uma série de novas ações são indicadas como crimes de responsabilidade. Entre elas também está “deixar de adotar as medidas necessárias para proteger a vida e a saúde da população em situações de calamidade pública”.

A lei atual (1.079/1950) não indica nenhum crime que teria relação com saúde ou calamidade pública. A prática pode ser incluída nos motivos para impeachment depois da pandemia de covid-19.

No fim de agosto, o ministro Cristiano Zanin, do STF, determinou o arquivamento de uma ação contra Bolsonaro por suposta omissão na compra de vacinas contra a covid.

A ação foi protocolada pelo partido Rede Sustentabilidade, em 21 de outubro de 2020. O partido pediu que o governo federal fosse obrigado a comprar o imunizante produzido pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan. Na época, o governo havia desautorizado a compra da vacina CoronaVac.

Entre os pontos indicados como crimes de responsabilidade, segundo o projeto, estão:
  • estimular a prática de tortura ou de tratamento desumano, ou degradante;
  • praticar, induzir ou incitar discriminação, ou preconceito de origem, raça, cor, idade, gênero, etnia, religião ou orientação sexual; e
  • “embaraçar” o livre exercício de direitos políticos, o processo eleitoral ou a posse dos eleitos.
O projeto assinado por Pacheco indica ainda que atentar ou ameaçar os Três Poderes é crime de responsabilidade. Também é motivo para impeachment “fomentar a insubordinação” das Forças Armadas ou de integrantes das forças de segurança.

As práticas já eram previstas, ainda que com redação diferente, na Lei 1.079 de 1950.

O texto já foi objeto de uma audiência pública, com a presença de Lewandowski e outros integrantes da comissão que propuseram a atualização do dispositivo. Durante a sessão, senadores criticaram o fato de prefeitos não estarem na lista de possíveis alvos de impeachment.

Estão previstas mais duas audiências públicas sobre a nova lei do impeachment na CCJ.

Weverton afirma que, como o tema é complexo e de grande importância para os Poderes, deverá haver uma discussão ampla no Congresso. Atualmente, já são 60 emendas apresentadas por senadores ao projeto.

Poder 360
VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM DOAÇÕES DE QUALQUER VALOR ATRAVÉS DO PIX:EMAIL:JORNALDADIREITAONLINE@OUTLOOK.COM

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n