Fim da Polarização: "Esquerda e Direita tem de ser superado", afirma Paulo Guedes Fim da Polarização: "Esquerda e Direita tem de ser superado", afirma Paulo Guedes Fim da Polarização: "Esquerda e Direita tem de ser superado", afirma Paulo Guedes Pular para o conteúdo principal
;

Fim da Polarização: "Esquerda e Direita tem de ser superado", afirma Paulo Guedes

Ministro da Economia de Jair Bolsonaro, Paulo Guedes menciona méritos de governos petistas, afirma que Karl Marx está equivocado em sua teoria e diz que China pode ter capitalismo mais “feroz” desde a Inglaterra da Revolução Industrial — tudo isso em curso sobre macroeconomia e investimentos, oferecido online.

A CNN assistiu às duas primeiras aulas do curso de Paulo Guedes, em parceria com Primo Rico. Discreto desde que deixou o Executivo, o economista não poupa opiniões em seus vídeos.

Crítica a Marx e China “feroz”

Na aula 1, nomeada “Propostas para o Brasil decolar”, Guedes aparece sentado, em um cenário de iluminação mansa. Ao fundo, uma janela e um quadro tomado por gráficos. O economista usa alguns minutos para elencar e defender feitos de sua gestão no Executivo.

Em meio à defesa, mergulha em um debate sobre teoria econômica. Indica que a humanidade se organiza em economia de mercado desde os fenícios e babilônicos e classifica o filósofo e economista Karl Marx como “um pós-ricardiano menor”. David Ricardo fundou a teoria do valor-trabalho — que fundamenta o Marxismo.

“O pai do socialismo é um pós-ricardiano menor, baseado em uma teoria totalmente equivocada. A teoria do valor-trabalho, manipulada por ele, se transformou em uma religião laica”, diz.

Aqui vale um rápido salto à aula 2, em que ele volta a mencionar o tema. Guedes diz na sessão que a interpretação de valor-trabalho é “um dano à humanidade”. A teoria defende que o valor de uma mercadoria é determinada pela quantidade de trabalho necessária para produzi-la — e, segundo o ex-ministro, “levou países à miséria”.

De volta à aula 1, Guedes exalta a eficiência das economias de mercado e fala de China. Segundo ele, o país asiático, apesar de politicamente fechado, vive em um “capitalismo brutal”. Para ele, “talvez” seja o capitalismo de “maior ferocidade” desde a Inglaterra que puxou a Revolução Industrial, entre o fim do século XVIII e começo do XIX.

De volta ao Brasil, defende a sustentabilidade fiscal como “um fenômeno”. Ele se denomina um “liberal democrata” e diz acreditar que este equilíbrio de contas deve ser alcançado via corte de gastos — mas indica que o caminho social-democrata, de aumento de arrecadação, também é válido, apesar de, na sua visão, menos efetivo.

Vitrola e méritos de governos petistas

Em meio a uma estante, uma luminária, uma vitrola e uma ilustradora que o auxilia nas explicações, Guedes ministra a aula 2, “Fim da disputa entre direita e esquerda”, quando se debruça sobre a política.

O economista abre a aula explicando seu ideal para a política: a divisão entre esquerda e direita deve ser superada. Para Guedes, tanto a extrema-esquerda, exemplificada com o comunismo de Josef Stalin, quanto a extrema-direita, exemplificada com o nazismo de Adolf Hitler, devem ser superados, dando lugar a um debate moderado.

Segundo Guedes, os extremos são “o inferno”. O conservadorismo e o socialismo — espécie de transição à moderação — são “o purgatório”. Já a sociedade em que há a síntese entre a social-democracia e a democracia liberal, com moderados, é “o céu”.

"Ao indicar que o país deve fugir da polarização e caminhar em direção a este ideal, o que chama de “grande sociedade aberta”, Guedes chega a mencionar, entre os debates que devem ser superados, as expressões “roubou a eleição, roubou a urna”.

Ele se propõe, então, a fazer uma leitura da História recente do Brasil a partir desta ótica. Para Guedes, a ditadura militar (1964-1985) representou uma espécie de intersecção entre a extrema-direita e o conservadorismo. “Tinha aspectos de uma ditadura, mas, ao mesmo tempo, o Congresso estava aberto, com uma classe política legitimando”, diz.

Com a redemocratização, segundo o economista, houve uma “marcha à esquerda”. Guedes dedica parte do apanhado histórico para criticar a possibilidade de reeleição, que na sua opinião ampliou as distorções do sistema.

“Essa emenda, de reeleição [do Fernando Henrique Cardoso], causou uma ruptura dramática no sistema eleitoral brasileiro, porque sem a reeleição o presidente tem que fazer as coisas certas. Com a reeleição, há uma tentação de tentar ser reeleito, e ele começa a trabalhar para a reeleição”, disse.

Paulo Guedes, em sua descrição histórica, menciona méritos dos governos petistas. Ele destaca o Bolsa Família, bem como outros mecanismos de distribuição de renda e o orçamento participativo, como parte das “muitas coisas boas” que foram implementadas. Crítica a falta de “legado institucional”.

“E o PT ficou quatro mandatos seguidos, teve muita coisa boa e muita ruim”, diz Guedes.

Para o ex-ministro, o pós-impeachment de Dilma Rousseff representa o fim da marcha à esquerda e a “redescoberta” de parte do espectro político brasileiro. Ele descreve a gestão Bolsonaro como “uma aliança entre conservadores e liberais, em oposição à hegemonia de esquerda” Na sua visão, atualmente, o país volta a caminhar na direção da grande sociedade aberta”.

FONTE: CNN Brasil

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n

Thiago Pavinatto se pronuncia após saída da Jovem Pan

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22) . A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Em alguns posts nas redes o apresentador comentou o seguinte: "Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. Eu jamais, JAMAIS, pediria desculpas por me revoltar contra um desembargador que inocentou um pedófilo septuagenário argumentando que a criança estuprada era prostituta e drogada. Não fui demitido: disse, com paz de espírito, que preferia perder o contrato a perder a decência. Essa é a versão oficial da minha saída da Jovem Pan. — Pavinatto (@Pavinatto) August 23, 2023

Herói sem capa: Policial enfrenta sozinho trio de criminosos que mantinham família refém e salva todos, (Veja o Vídeo)

Imagens de câmera de monitoramento mostram o momento em que um brigadiano sozinho salva um casal e uma criança feitos reféns durante assalto na noite de terça-feira (1º) em Estância Velha.  O confronto aconteceu uma agropecuária na Rua Walter Klein, no bairro Bela Vista. Nas cenas, o policial militar aparece armado em uma área externa da agropecuária. Em seguida, dois criminosos saem segurando as vítimas, que são seguidas por um cordeiro. "Foi uma situação inédita para mim", diz policial que salvou família refém de assalto em agropecuária de Estância Velha Criminoso que morreu após ser baleado durante assalto com reféns em Estância Velha usava tornozeleira eletrônica No momento em que os criminosos se aproximam de um carro estacionado em frente ao local, o policial se distancia em meio à rua. Os criminosos tentam embarcar com os reféns, mas o agente dispara um tiro em direção ao carro. O delegado de Estância Velha, Rafael Sauthier, explica que uma policial teria chegado