Faz o "Duplo L" Salvador Faz o "Duplo L" Salvador Faz o "Duplo L" Salvador Pular para o conteúdo principal

Faz o "Duplo L" Salvador




As comunidades do Calabar e Alto das Pombas, em Salvador, que enfrentam confrontos entre policiais e duas facções criminosas rivais, vivem um cenário de medo, com moradores em fuga, famílias trancadas em suas residências e casas na linha de tiro dos conflitos.

A Folha conversou com moradores dos dois bairros, que se disseram assustados com o poder bélico e nível de violência dos criminosos, que nesta segunda-feira (4) incluiu toque de recolher e até mesmo a ameaças a 17 moradores mantidos em cárcere privado. As informações são da Folha de SP.


O episódio é mais um capítulo da crise na segurança pública enfrentada pelo governo Jerônimo Rodrigues (PT), que inclui o acirramento da disputa entre facções, chacinas e escalada da letalidade policial.

Escolas não abriram as portas, postos de saúde funcionaram de forma parcial, igrejas evangélicas suspenderam cultos e apenas parte do comércio abriu as portas nos bairros. A ação policial deixou um saldo de oito presos, dez mortos e seis fuzis apreendidos.

Os primeiros confrontos entre as facções Comando Vermelho e BDM (Bonde do Maluco), que disputam o domínio do tráfico de drogas na região, começaram na noite de sexta-feira (1º) e se mantiveram ao longo do fim de semana.

Mas a violência cresceu na manhã de segunda, quando houve tiroteios intensos entre os criminosos nas ruas e vielas dos bairros, além de confrontos com equipes da Polícia Militar.

A Bahia é o estado com maior número absoluto de mortes violentas do Brasil desde 2019, apontam dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Calabar e Alto das Pombas são vizinhos e entrelaçados, abrigam cerca de 10 mil habitantes e ficam no entorno de bairros como Federação, Barra e Ondina. Surgiram como invasões em terrenos que pertenciam ao Cemitério Campo Santo até serem regularizadas após anos de luta dos moradores.

Pela localização estratégica e proximidade com bairros ricos da cidade, as comunidades se tornaram um dos epicentros da disputa entre traficantes de drogas em Salvador.

"Os tiroteios já vinham acontecendo nos últimos dias, mas ontem (segunda) foi drástico. A gente sabe que a violência está em todos os lugares, mas do jeito que está, é insustentável", afirmou uma moradora do bairro, que pediu anonimato com medo de retaliações.

Ela afirma que passou o dia trancada dentro de casa, ouvindo o barulho de tiros que vinham de uma localidade relativamente próxima à sua rua: "Passei o dia apreensiva, principalmente porque conheço muita gente que mora lá dentro do foco do conflito", diz.

Recebeu mensagens de preocupação de amigos, familiares e colegas de trabalho. E viu muitos de seus vizinhos deixarem suas casas, incluindo uma inquilina que aluga um imóvel dela que foi dormir na casa de uma amiga.

Um líder comunitário ouvido pela reportagem disse que o nível de violência nos confrontos foi o que mais assombrou os moradores dos bairros, principalmente os casos em que os criminosos mantiveram famílias em cárcere privado sob a ameaça de armas: "Nunca vi isso acontecer aqui no bairro".

Historicamente, o tráfico de drogas na região era dominado por membros da família Floquet. Mas nos últimos anos a região se tornou área de influência do traficante Averaldinho, preso em fevereiro deste ano em Guarajuba, praia do litoral norte da Bahia.

Com a prisão do líder do tráfico da região, a família Floquet teria se aliado ao Comando Vermelho para retomar o controle das comunidades. Um grupo com cerca de 30 homens fortemente armados entraram no Alto das Pombas a partir de vielas nas proximidades do bairro da Federação.

Mesmo sendo pequeno, o bairro é dividido em áreas de influência dos traficantes. Na região do Largo do Camarão, quem domina é o grupo ligado a Averaldinho. Já o trecho conhecido como Bomba, que fica nos fundos do cemitério Campo Santo, é área controlada pela família Floquet.

O confronto fez com que famílias das principais áreas de atuação dos dois grupos criminosos deixassem suas casas. Parte dos imóveis passou a ser utilizada como esconderijo de traficantes. Desde o último fim de semana, casas foram arrombadas e telhados foram destruídos durante a fuga de criminosos.

Desde 2011, o Calabar abriga uma Base Comunitária de Segurança, inspirada no modelo da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) que foi adotado no Rio de Janeiro no mesmo período.

As bases comunitárias foram um dos carros-chefe da política de segurança pública adotada pelo então governador Jaques Wagner (PT) e foi expandida durante os governos de Rui Costa (PT), hoje ministro da Casa Civil do governo Lula.

A iniciativa é elogiada por moradores do Calabar pelas ações sociais voltadas para crianças e jovens que incluem aulas de judô, caratê, capoeira, balé e bombeiro mirim. O efetivo policial da base, contudo, é considerado pequeno e a unidade depende do apoio de tropas especializadas no combate ao tráfico.

Nesta terça-feira (5), moradores relataram um clima menos tenso nas ruas do Calabar e Alto das Pombas. Parte do comércio reabriu, mas poucos clientes que se arriscaram a andar pelas ruas das comunidades. As escolas municipais permaneceram fechadas, deixando 1.042 alunos sem aulas.

O secretário de Segurança Pública da Bahia, Marcelo Werner, classificou a ação da polícia como uma resposta a grupos criminosos que tentam demonstrar poder bélico e desafiar as forças de segurança, causando pânico e temor na população das periferias.

Werner ainda descartou a possibilidade de uma intervenção federal na segurança pública da Bahia: "A gente tem mostrado, pelas ações que estão sendo realizadas ao longo deste ano, que estamos fazendo frente ao crime".

Comandante-geral da Polícia Militar da Bahia, o coronel Paulo Coutinho destacou que as ações de policiamento ostensivo no Alto das Pombas e Calabar devem permanecer nos próximos dias e que não há previsão de encerramento.

Jerônimo Rodrigues prometeu "pulso firme no combate à violência" e disse que vai enfrentar com rigor o crime organizado.

"O trabalho de avaliação, monitoramento e orientação das nossas forças é constante, seguindo a missão de proteger vidas, respeitando os direitos humanos e garantindo o cumprimento da lei", disse.

Folha de SP
VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM DOAÇÕES DE QUALQUER VALOR ATRAVÉS DO PIX:EMAIL:JORNALDADIREITAONLINE@OUTLOOK.COM

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n