Em fim de mandato na PGR, Aras diz que sofreu com "falsas narrativas" Em fim de mandato na PGR, Aras diz que sofreu com "falsas narrativas" Em fim de mandato na PGR, Aras diz que sofreu com "falsas narrativas" Pular para o conteúdo principal

Em fim de mandato na PGR, Aras diz que sofreu com "falsas narrativas"


O procurador-geral da República, Augusto Aras, participou, nesta quinta-feira (21/9), daquela que pode ser a última sessão com a presença dele na corte como chefe do Ministério Público. O mandato de Aras termina na próxima semana. Em discurso no plenário, ele afirmou que sua gestão sofreu com "incompreensões".

Aras afirmou ter sido alvo de "algumas incompreensões e falsas narrativas, dissonantes com o trabalho realizado". O discurso dele ocorreu durante o julgamento, no Supremo Tribunal Federal (STF), do marco temporal das terras indígenas.

"Dizem que as pessoas ficam e as instituições passam. Mas as instituições se fazem de pessoas que por elas passam. O Ministério Público há sempre de contribuir para o aprimoramento do nosso contínuo processo civilizatório e fortalecimento do nosso Estado Democrático de Direito", disse o PGR.

Indicado por Jair Bolsonaro e reconduzido ao cargo pelo ex-presidente, Aras foi alvo de críticas, acusado de engavetar representações contra o ex-capitão do Exército. Uma das investigações que o procurador-geral foi acusado de ofuscar se refere a eventual omissão de Bolsonaro na gestão da pandemia e ações que tentaram desmobilizar o isolamento social e outras medidas sanitárias durante a circulação do vírus.

"Os desafios dos últimos 4 anos foram adicionalmente cercados por algumas interpretações e falsas narrativas... Ao MP, tal como ao Judiciário, a Constituição veda expressamente a política partidária. Nossa missão não é caminhar pela direita ou pela esquerda, mas, sim, garantir dentro da ordem jurídica que se realize Justiça, liberdade, igualdade e dignidade da pessoa humana", completou o PGR.

Com o fim da gestão dele, cabe ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva indicar um novo nome. Mas caso prefira, pode reconduzir Aras para um terceiro mandato.

FONTE: Correio Brasiliense

VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM DOAÇÕES DE QUALQUER VALOR ATRAVÉS DO PIX:EMAIL:JORNALDADIREITAONLINE@OUTLOOK.COM

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n