CPI do MST vai pedir o indiciamento de Gonçalves Dias, de José Rainha e de deputado do PT CPI do MST vai pedir o indiciamento de Gonçalves Dias, de José Rainha e de deputado do PT CPI do MST vai pedir o indiciamento de Gonçalves Dias, de José Rainha e de deputado do PT Pular para o conteúdo principal

CPI do MST vai pedir o indiciamento de Gonçalves Dias, de José Rainha e de deputado do PT


 
O relator da CPI do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o deputado Ricardo Salles (PL-SP), vai pedir o indiciamento do ex-ministro do Gabinete Institucional de Segurança (GSI) Gonçalves Dias, do líder da Frente Nacional de Luta (FNL), José Rainha, e do deputado federal Valmir Assunção (PT-BA).  

Em 60 páginas, o documento classifica o movimento social como “criminoso” e responsabiliza o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo aumento das ocupações de terra em 2023. A expectativa é que o texto seja lido na quinta-feira (21), último dia do colegiado na Câmara.

No caso de Gonçalves Dias, Salles alega “falso testemunho” durante o depoimento à CPI, para pedir o indiciamento do ex-ministro. Segundo o relator, Dias mentiu ao afirmar que não tivera acesso aos relatórios da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no período em que estava à frente da segurança da Presidência da República.

“Para além da falta de verossimilhança das alegações do depoente, face ao fato de ser o Ministro Chefe do GSI, a quem a Abin estava subordinada, a sua versão acabou sendo desmentida duplamente, tanto pela fala do ministro de Estado de Desenvolvimento Agrário, Senhor Paulo Teixeira, quanto do ministro de Estado da Agricultura e Abastecimento, Carlos Fávaro”, diz o documento.

O pedido de Salles de indiciamento de José Rainha, uma das lideranças fundadoras do MST, alega “falsidade ideológica e sonegação fiscal”.

Salles também pede o indiciamento do deputado federal Valmir Assunção (PT-BA), que é membro da CPI e foi citado por ex-integrantes do MST por supostos abusos contra membros do movimento no sul da Bahia. “Informações, relatos e declarações que, unanimemente, apontam o deputado federal Valmir Assunção, do PT da Bahia, como sendo supostamente o mandante e principal beneficiário de todas as ações criminosas praticadas pelo MST naquele extremo sul do Estado”, diz o texto. Procurada pelo R7, a defesa de Assunção informou que só vai se pronunciar quando o relatório oficial da CPI for oficializado.

Salles também responsabiliza o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo aumento das invasões de terra em 2023. “O atual governo, seja através do INCRA, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, do Ministério da Agricultura, da Casa Civil e da própria Presidência da República, não é apenas omisso em relação aos inúmeros crimes perpetrados nesses primeiros meses de mandato, como é conivente e partícipe das ações de incentivo às invasões, através de apoio institucional, político e financeiro, na medida em que restabelece práticas administrativas e orçamentárias condenáveis”, diz Salles no relatório.

Deputados da base do governo articulam a apresentação de um relatório paralelo na CPI. No documento, eles pretendem abordar as invasões aos domicílios de integrantes do movimento social em assentamentos durante as diligências da comissão e defender a existência do MST.


FONTE: R7

VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM DOAÇÕES DE QUALQUER VALOR ATRAVÉS DO PIX:EMAIL:JORNALDADIREITAONLINE@OUTLOOK.COM

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n