Ao Voltar da Índia, Lula Já Vai Viajar Novamente Ao Voltar da Índia, Lula Já Vai Viajar Novamente Ao Voltar da Índia, Lula Já Vai Viajar Novamente Pular para o conteúdo principal

Ao Voltar da Índia, Lula Já Vai Viajar Novamente


A política externa tem sido tratada como prioridade pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em seu terceiro mandato. O petista está adiando uma cirurgia no quadril para tratar fortes dores porque não quer atrapalhar sua agenda diplomática, visando unir forças de países em desenvolvimento e equilibrar o diálogo com as nações ricas. Focado na meta de mudar a governança internacional, o presidente brasileiro embarca para Cuba no fim desta semana e vai participar da cúpula do G77+China, bloco que reúne países do Sul Global.

Em seguida, Lula viaja para a Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, onde vai tentar colher frutos de seus esforços por reformas.

O empenho de Lula para unir forças que possam se contrapor a Estados Unidos e Europa em temas como comércio e finanças não tem acontecido sem sobressaltos. Entre os países mais influentes do Sul Global há várias ditaduras, e um membro que está na mira do mundo por invadir militarmente um vizinho, a Rússia. Essas companhias têm um custo político para o Brasil.

No último final de semana, durante a cúpula de chefes de Estado do G20, na Índia, Lula voltou a ser alvo de muitas críticas por se alinhar ao presidente russo, Vladimir Putin, dizer que ele não seria preso no Brasil, e questionar o papel do Tribunal de Haia.

“Países emergentes são signatários de coisas que prejudicam eles mesmos”, afirmou o petista.

Contudo, o protagonismo em diversos foros multilaterais – com a presidência do G20 entre dezembro e novembro de 2024, a liderança no Mercosul e a futura presidência do Brics, em 2025 – deve contribuir para facilitar o avanço de agendas consideradas prioridades para a diplomacia brasileira. Entre elas, a transição energética, o combate à fome e uma nova governança mundial.

O que é o G77

O bloco de países em desenvolvimento que se reúne em Havana, Cuba, nos dias 15 e 16 de setembro foi criado em 1964, em um contexto de Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética, para tentar aumentar o poder de influência no debate global das nações que não estavam diretamente envolvidas na disputa entre capitalismo e comunismo.

O Brasil esteve entre os primeiros 77 signatários, mas o grupo cresceu nas décadas seguintes. Hoje tem 134 países membros e passou a se chamar G77+China, desde que o gigante asiático se uniu ao bloco, nos anos 1990.

Em um encontro do G77 em 2014, na Bolívia, os países membros já se alinhavam no esforço de criar uma “nova ordem mundial”, mais equilibrada e pela busca de uma maior cooperação entre nações em desenvolvimento.

“Viemos com a expectativa de que esta cúpula ouça a voz dos povos do sul, sua luta por desenvolvimento econômico sustentável e justo, e por uma nova ordem econômica mundial”, disse, na época, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que era um dos maiores promotores da disputa geopolítica com os Estados Unidos e seus aliados.

Quase 10 anos depois, Maduro segue presidindo a Venezuela, mas ainda não confirmou presença na cúpula de Cuba. Quem já avisou que vai, além de Lula, são chefes de Estado como Gustavo Petro, presidente da Colômbia, e Alberto Fernández, mandatário da Argentina.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, também vai a Cuba participar do evento. Logo depois, todos vão para os Estados Unidos, para a Assembleia Geral das Nações Unidas.

Em Havana, Lula deve se manter na missão de angariar apoio para cobrar reformas na governança da ONU, sobretudo no Conselho de Segurança da entidade diplomática, que tem como membros permanentes Estados Unidos, França, Reino Unido, China e Rússia. Todos têm poder de veto. Outros países ocupam alternadamente 10 vagas rotativas, sem poder de veto.

Lula tem dito que esse modelo é anacrônico, reflete uma geopolítica dos anos 1960 e não tem impedido conflitos, como a Guerra da Ucrânia.

Os objetivos do Sul Global

Apesar de embates sobre temas como a guerra e as mudanças climáticas estarem acontecendo, Lula diz em seus discursos que não quer ser adversário das potências tradicionais, reunidas no G7, mas ter uma relação mais parelha com elas.

Para isso, o petista tem se esforçado no primeiro ano de seu atual governo para incluir o país em grupos maiores que tenham objetivos parecidos, como fez na Cúpula da Amazônia e ao celebrar a ampliação do bloco dos Brics com mais seis nações.

O G77, então, faz parte desse contexto, de blocos políticos para negociações. Como em outros encontros, deverão ser discutidas ideias como a possibilidade de fazer comércio exterior sem o dólar e cobranças por financiamento das nações ricas para a transição para uma economia mais verde nos países em desenvolvimento.

Os países do Sul Global dizem que não querem substituir o dólar, até porque seriam as maiores vítimas da quebradeira que o enfraquecimento da moeda norte-americana criaria, mas ter opções para não depender totalmente dele.

Como a diplomacia tem seu próprio ritmo, não se deve esperar que as demandas dos países em desenvolvimento se transformem logo num profunda reforma da ONU. Lula, porém, indica que dedicará bastante atenção a essa luta ao longo de seu mandato.

Terra Brasil
VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM DOAÇÕES DE QUALQUER VALOR ATRAVÉS DO PIX:EMAIL:JORNALDADIREITAONLINE@OUTLOOK.COM

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n