Pai das crianças colombianas que sobreviveram 40 dias na selva é preso e acusações são assustadoras Pai das crianças colombianas que sobreviveram 40 dias na selva é preso e acusações são assustadoras Pai das crianças colombianas que sobreviveram 40 dias na selva é preso e acusações são assustadoras Pular para o conteúdo principal

Pai das crianças colombianas que sobreviveram 40 dias na selva é preso e acusações são assustadoras


A polícia colombiana prendeu, nesta sexta-feira (11/8), Manuel Ranoque, pai e padrasto das crianças indígenas que ficaram perdidas durante 40 dias na floresta amazônica, em Bogotá, capital do país. Segundo a imprensa local, ele foi denunciado por familiares por suposto abuso sexual e maus-tratos.


Lesly Mucutuy, de 13 anos, Soleiny Mucutuy, 9 anos, Tien Noriel Ronoque Mucutuy, 4 anos, e Cristin Neriman Ranoque Mucutuy, 1 ano, estão sob custódia do Instituto Colombiano de Bem-Estar Familiar (ICBF). Manuel Ranoque é padrasto das meninas mais velhas e pai dos menores.

De acordo com os avós maternos, Narciso Mucutuy e María Fátima Valencia, o suspeito batia na mãe das crianças e maltratava os filhos e enteadas. Além disso, eles afirmam que ele teria abusado sexualmente de Lesly Mucutuy.

Acidente de avião

As crianças embarcaram em um monomotor em 1º de maio ao lado da mãe, Magdalena Mucutuy, que saiu de Araracuara com destino a San Jose del Guaviare, ambos na Colômbia. A família encontraria com Ronoque em Bogotá, que, assim como o restante dos parentes, fugia de ameaças de um grupo dissidente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

No entanto, durante o percurso, o avião caiu no meio da floresta amazônica e o acidente matou Magdalena e outros três adultos. Apesar da queda, as crianças conseguiram sobreviver, mas ficaram 40 dias perdidas no meio da mata.

As crianças foram encontradas em 9 de junho pelas Forças Armadas da Colômbia e encaminhadas para o Hospital Militar de Bogotá. Enquanto estiveram internadas, Ronoque ficou proibido de ver as duas meninas na unidade hospitalar.

Na Justiça, os avós maternos lutam pela guarda das crianças contra Manuel Ranoque e o primeiro marido de Magdalena e pai das meninas mais velhas, identificado apenas como Andrés.

Metrópoles.

A polícia colombiana prendeu, nesta sexta-feira (11/8), Manuel Ranoque, pai e padrasto das crianças indígenas que ficaram perdidas durante 40 dias na floresta amazônica, em Bogotá, capital do país. Segundo a imprensa local, ele foi denunciado por familiares por suposto abuso sexual e maus-tratos.


Lesly Mucutuy, de 13 anos, Soleiny Mucutuy, 9 anos, Tien Noriel Ronoque Mucutuy, 4 anos, e Cristin Neriman Ranoque Mucutuy, 1 ano, estão sob custódia do Instituto Colombiano de Bem-Estar Familiar (ICBF). Manuel Ranoque é padrasto das meninas mais velhas e pai dos menores.

De acordo com os avós maternos, Narciso Mucutuy e María Fátima Valencia, o suspeito batia na mãe das crianças e maltratava os filhos e enteadas. Além disso, eles afirmam que ele teria abusado sexualmente de Lesly Mucutuy.

Acidente de avião

As crianças embarcaram em um monomotor em 1º de maio ao lado da mãe, Magdalena Mucutuy, que saiu de Araracuara com destino a San Jose del Guaviare, ambos na Colômbia. A família encontraria com Ronoque em Bogotá, que, assim como o restante dos parentes, fugia de ameaças de um grupo dissidente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

No entanto, durante o percurso, o avião caiu no meio da floresta amazônica e o acidente matou Magdalena e outros três adultos. Apesar da queda, as crianças conseguiram sobreviver, mas ficaram 40 dias perdidas no meio da mata.

As crianças foram encontradas em 9 de junho pelas Forças Armadas da Colômbia e encaminhadas para o Hospital Militar de Bogotá. Enquanto estiveram internadas, Ronoque ficou proibido de ver as duas meninas na unidade hospitalar.

Na Justiça, os avós maternos lutam pela guarda das crianças contra Manuel Ranoque e o primeiro marido de Magdalena e pai das meninas mais velhas, identificado apenas como Andrés.

Metrópoles.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gigante atacadista fechará suas últimas 24 lojas e encerrará suas atividades no Brasil

A rede atacadista Makro encerrará suas atividades no Brasil, fechando as últimas 24 lojas ainda em atividade no país. Foram 50 anos de história em solo brasileiro, ultrapassando a marca de 50 lojas espalhadas por vários estados. Nos últimos anos, a empresa repassou 30 lojas para o Atacadão, captando R$ 1,95 bilhão com a venda. Agora, a empresa contratou o Santander para encontrar um comprador para as lojas remanescentes e espera obter R$ 2 bilhões, de acordo com o Estadão. A rede Makro é administrada pelo grupo holandês SHV que desistiu de competir com outras redes atacadistas disponíveis no Brasil. Além desta razão, segundo a reportagem, é que a matriz já deixou de atuar como varejista na Europa há mais de 20 anos e também está encerrando suas lojas na Ásia e na África. Pleno News

Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau: “Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, vagabundos”; ASSISTA AO VÍDEO

O velório das quatro crianças que morreram no ataque à creche em Blumenau ocorre ao longo desta quinta-feira (6), na cidade catarinense.  Durante uma entrada ao vivo do repórter Felipe Sales na TV Globo em frente ao cemitério, um homem interrompeu a transmissão. “O sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês, seus vagabundos”, disse, batendo palmas ao lado do repórter. Homem interrompe Globo ao vivo em velório de crianças em Blumenau e dispara: ‘Sangue do meu sobrinho está nas mãos de vocês’ #GloboLixo pic.twitter.com/xfW7xnxPWl — SAM - The Detective of ZV 🕵🏻‍♂️ (@Samhds2) April 6, 2023

Jovem Pan baixa a cabeça e demite Thiago Pavinatto, (Veja o Vídeo)

O apresentador Tiago Pavinatto, do programa Linha de Frente e Os Pingos nos Is, foi demitido da Jovem Pan nesta terça-feira (22). A demissão ocorreu após o advogado e comentarista político se recusar a pedir desculpas a um desembargador que foi chamado por ele de “vagabundo tarado”. Nesta segunda (21), Pavinatto comentou a decisão do desembargador Airton Vieira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), de ter inocentado um acusado de estupro contra uma menina de 13 anos. Exaltado com a notícia, Pavinatto ofendeu o magistrado e, mesmo a emissora pedindo para que ele se desculpasse, o profissional se negou. – A direção da casa está pedindo uma retratação ao desembargador Airton Vieira e eu não vou fazer. E eu deixo claro aqui: eu não vou fazer uma retratação para uma pessoa que ganha dinheiro público, livra um pedófilo, e ainda chama a vítima, de 13 anos de idade, de vagabunda – declarou. E continuou: – Eu me nego a fazer. Estou sendo cobrado insistentemente a me retratar. Eu n