56 fiéis são mortos por homem-bomba em mesquita xiita
Caso queira nos ajudar a manter nosso site faça uma doação diretamente, através do PayPal, clique no botão abaixo ou através do PIX EMAIL: pordentrodapolitica2022@gmail.com

56 fiéis são mortos por homem-bomba em mesquita xiita


Um homem-bomba atingiu uma mesquita muçulmana xiita na cidade de Peshawar, no noroeste do Paquistão, durante as orações nesta sexta-feira (4), matando pelo menos 56 fiéis e ferindo 194 pessoas, disseram funcionários do hospital à Agência de Notícias Associated Press

Nenhum grupo militante reivindicou imediatamente a responsabilidade pelo ataque. Tanto o grupo Estado Islâmico quanto o Talibã paquistanês – um grupo militante separado do Talibã no Afeganistão – realizaram ataques semelhantes no passado na área, localizada perto da fronteira com o vizinho Afeganistão.

Siga nossas Redes 

De acordo com o porta-voz do Hospital Lady Reading de Peshawar, Asim Khan, muitos dos feridos estavam em estado crítico. Dezenas de vítimas foram salpicadas com estilhaços, várias tiveram membros amputados e outras ficaram feridas por destroços voadores.

O chefe de polícia de Peshawar, Muhammed Ejaz Khan, disse que a violência começou quando um agressor armado abriu fogo contra a polícia do lado de fora da mesquita na cidade velha de Peshawar. Um policial foi morto no tiroteio e outro policial ficou ferido. O agressor então correu para dentro da mesquita e detonou seu colete suicida.

O homem-bomba amarrou um poderoso dispositivo explosivo em seu corpo, embalado com 5 quilos de explosivos, disse Moazzam Jah Ansari, o principal oficial da polícia da província de Khyber Pukhtunkhwa, onde Peshawar é a capital.

O dispositivo estava escondido sob um grande xale preto que cobria grande parte de seu corpo, de acordo com imagens de câmeras de segurança vistas pela Associated Press. A filmagem mostrou o homem-bomba movendo-se rapidamente por uma rua estreita em direção à entrada da mesquita. Ele disparou contra a polícia que protegia a mesquita antes de entrar.

Em poucos segundos ocorreu uma poderosa explosão e a lente da câmera foi obscurecida com poeira e detritos. Ansari disse que o dispositivo feito de forma grosseira estava cheio de rolamentos de esferas, um método mortal de construir uma bomba para infligir a maior carnificina pulverizando uma área maior com projéteis mortais. Os rolamentos de esferas causaram o alto número de mortos, disse Ansari.

O policial local Waheed Khan disse que a explosão ocorreu quando os fiéis se reuniram na mesquita Kucha Risaldar para as orações de sexta-feira. Há temores de que o número de mortos ainda possa aumentar ainda mais, acrescentou.

Ambulâncias correram pelas ruas estreitas e congestionadas levando os feridos para o Hospital Lady Reading, onde os médicos trabalhavam febrilmente.

Shayan Haider, uma testemunha, estava se preparando para entrar na mesquita quando uma forte explosão o jogou no chão. “Eu abri meus olhos e havia poeira e corpos por toda parte”, disse ele.

No departamento de emergência do Hospital Lady Reading, havia caos enquanto os médicos lutavam para levar os muitos feridos para as salas de cirurgia. Centenas de parentes se reuniram do lado de fora do pronto-socorro, muitos deles chorando e batendo no peito, implorando por informações sobre seus entes queridos.

Do lado de fora da mesquita, xiitas se espremiam pelas ruas isoladas. A Mesquita Kucha Risaldar é uma das mais antigas da região, anterior à criação do Paquistão em 1947 como uma pátria separada para os muçulmanos do subcontinente indiano.

O líder de oração, Allama Irshad Hussein Khalil, um proeminente jovem líder xiita em ascensão, estava entre os mortos. Por toda a cidade, sirenes de ambulância podiam ser ouvidas.

O primeiro-ministro Imran Khan condenou o atentado. Seu conselheiro de segurança nacional, Moeed Yusuf, disse que o atentado foi um “hediondo ataque terrorista” e prometeu que aqueles por trás da carnificina “seriam levados à justiça. Não permitiremos que nossos ganhos contra o terrorismo e nossa segurança interna sejam comprometidos a qualquer custo. .”

O oficial aposentado do exército Sher Ali, que estava dentro da mesquita no momento da explosão, foi ferido por estilhaços. Ele fez um apelo apaixonado ao governo paquistanês por uma melhor proteção da minoria xiita do país.

“Qual é o nosso pecado? O que nos fizemos? Não somos cidadãos deste país?” disse ele de dentro do departamento de emergência, suas roupas brancas manchadas de sangue.

Na maioria sunita do Paquistão, a minoria xiita sofreu repetidos ataques. Além disso, nos últimos meses, o país experimentou um aumento significativo da violência e dezenas de militares foram mortos em dezenas de ataques a postos avançados do exército ao longo da fronteira com o Afeganistão.

Muitos ataques foram reivindicados pelos talibãs paquistaneses, que analistas dizem ter sido encorajados pela tomada do poder pelos talibãs afegãos em agosto passado no Afeganistão.

O Paquistão pediu aos novos governantes do Afeganistão que entreguem militantes do Taleban paquistanês que estão encenando seus ataques a partir do Afeganistão. O Talibã afegão disse que seu território não será usado para realizar ataques contra ninguém, mas até agora não entregou nenhum militante paquistanês procurado.

*Gazeta Brasil

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem