Confirmado: Bolsonaro indicará André Mendonça ao ST
Caso queira nos ajudar a manter nosso site faça uma doação diretamente, através do PayPal, clique no botão abaixo

Confirmado: Bolsonaro indicará André Mendonça ao ST


Está confirmado! O presidente Jair Bolsonaro indicará André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A oficialização se deu na manhã desta terça-feira (6) durante reunião ministerial no Palácio da Alvorada.

O chefe do Executivo revelou aos seus ministros que vai mesmo indicar o chefe da Advocacia-Geral da União (AGU) para a cadeira de Marco Aurélio Mello.

No encontro, logo após o anúncio, Mendonça fez um breve discurso de agradecimento aos presentes.

A informação foi apurada pela mídia mainstream e confirmada por meio de uma fonte do Conexão Política.

Marco Aurélio se aposenta no próximo dia 12. Bolsonaro só vai anunciar a indicação após essa data, já que fez um acordo com o presidente da Suprema Corte, ministro Luiz Fux.


Se reeleito, Bolsonaro nomeará mais dois ministros em vagas que se abrirão no Supremo. Ao fim de dois mandatos, contará com uma bancada de quatro de um total de 11.

PERFIL

André Luiz de Almeida Mendonça tem 48 anos. Ele é advogado e pastor presbiteriano.

Advogado da União desde 2000, foi designado em 2007 para ocupar o cargo de 1º diretor do Departamento de Combate à Corrupção e Defesa do Patrimônio Público, na gestão de Dias Toffoli, no governo Lula.

Ocupou a função de assessor especial do ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, de 2016 a 2018, durante o governo Temer.

Com a posse de Bolsonaro, foi nomeado advogado-geral da União de 2019 a 2020 e ministro da Justiça e Segurança Pública de 2020 a 2021. No final de março deste ano, retornou à AGU.

Ele também é escritor. Ao lado do ministro Alexandre de Moraes, foi coautor do livro “Democracia e Sistema de Justiça”, lançado em outubro de 2019 em homenagem aos 10 anos de Toffoli no STF.

Caso o nome seja aprovado pelo Senado, ele poderá ocupar a cadeira na Suprema Corte pelos próximos 27 anos, até 2047 – levando em conta a regra atual de aposentadoria compulsória.

Fonte: Conexão Política 

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem